Mundo

Lula assina declaração com EUA e mais 15 países pedindo libertação de reféns detidos pelo Hamas

Países apoiam um cessar-fogo imediato em Gaza

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Flickr)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 23 de abril de 2024 às 14h06.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou, nesta terça-feira, uma declaração conjunta com outros 16 países apelando ao Hamas pela libertação imediata dos reféns detidos em Gaza desde outubro de 2023, quando o grupo terrorista fez o primeiro ataque a Israel, e apoiando um cessar-fogo do conflito.

Além do Brasil, a nota é assinada por Alemanha, Argentina, Áustria, Bulgária, Canadá, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Hungria, Polônia, Portugal, Reino Unido, Romênia, Sérvia e Tailândia.

O documento afirma que um cessar-fogo “facilitaria o envio de assistência humanitária adicional necessária a toda a Faixa de Gaza e conduziria ao fim crível das hostilidades”.

“Apoiamos firmemente os esforços de mediação em curso para que nossos nacionais possam voltar para casa. Reiteramos o nosso apelo ao Hamas para que liberte os reféns e nos deixe pôr fim a esta crise”, dizem os países.

Acompanhe tudo sobre:HamasGuerrasIsraelConflito árabe-israelenseLuiz Inácio Lula da SilvaEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Quer morar nos EUA? Saiba quando você precisa ganhar para ser considerado 'classe média'

Morte de presidente do Irã não deve gerar revolução, mas disputa silenciosa, diz especialista

EUA: Yellen pedirá a aliados europeus para atuar de modo conjunto nas sanções contra a Rússia

Julgamento de Trump entra em fase final, em meio a suspense sobre seu testemunho

Mais na Exame