Mundo

Judeus e árabes fazem "beijaço" contra proibição de livro

Ministério da Educação de Israel baniu do ensino médio uma obra que narra história de amor entre judia e palestino


	Casal se beija em vídeo em protesto à proibição de livro sobre o amor entre judia e palestino
 (Reprodução/YouTube)

Casal se beija em vídeo em protesto à proibição de livro sobre o amor entre judia e palestino (Reprodução/YouTube)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de janeiro de 2016 às 20h57.

São Paulo - "Judeus e árabes se recusam a ser inimigos".

Foi de um jeito lindo e amoroso que um grupo de judeus e árabes resolveu responder à uma proibição imposta pelo Ministério da Educação de Israel.

O organismo ordenou o banimento de um livro que fala sobre uma história de amor entre uma judia e um palestino da grade curricular do ensino médio no país.

O argumento das autoridades foi que a remoção da obra pretende "manter a identidade e a herança dos estudantes de cada setor".

De acordo com o Times of Israel, a iniciativa foi da revista Time Out Tel Aviv. "A melhor resposta para outra semana de banho de sangue, racismo, censura e angústia existencial é abrir o coração para um projeto de fotografia que desafia os setores e as fronteiras".

A maioria dos participantes do vídeo - que mostra casais gays e heterossexuais - não se conhecia até o momento da gravação, segundo o Haaretz. "Ironicamente, é quase impossível falar quem é israelense e quem é palestino no vídeo", afirmou o jornal Washington Post.

Além da proibição do livro "Uma Barreira Viva", escrita por Dorit Rabinyan, o vídeo é um protesto contra a escalada de tensão na região.

Desde setembro do ano passado, 21 israelenses e um americano foram mortos em ataques palestinos, enquanto 137 palestinos foram mortos por forças israelenses.

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:AlimentaçãoAmor aos PedaçosConflito árabe-israelenseEmpresasFast foodIsraelJudeusOriente MédioPalestinaPolítica no BrasilPreconceitosProtestosRacismo

Mais de Mundo

Presidente eleito do Irã afirma estar disposto à realizar 'diálogo construtivo' com a UE

Três pontos para prestar atenção na Convenção Republicana, que começa segunda

Argentina declara Hamas como 'organização terrorista internacional'

Para Rússia, mísseis dos EUA na Alemanha transforma capitais europeias em 'vítimas potenciais'

Mais na Exame