Acompanhe:

O presidente eleito da Argentina, o ultraliberal Javier Milei, deixou Washington na terça-feira, 28, com uma impressão "muito boa" do governo do democrata Joe Biden, que lhe estendeu as mãos com base em "prioridades compartilhadas", incluindo a "energia limpa" e a "defesa dos direitos humanos".

Em seu segundo dia nos Estados Unidos, Milei esteve na Casa Branca para um primeiro contato com colaboradores de máxima confiança de Biden, que viajou para Atlanta para o funeral da ex-primeira-dama Rosalynn Carter.

O presidente eleito e uma equipe reduzida conversaram com Jake Sullivan, conselheiro de Segurança Nacional; com Juan González, principal conselheiro presidencial para a América Latina; com o subsecretário de Estado para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Brian Nichols, e com o embaixador dos Estados Unidos na Argentina, Marc Stanley.

Milei partilhou com eles "sua visão sobre a agenda geopolítica internacional alinhada com o Ocidente e a sua defesa dos valores da liberdade", informou seu gabinete em um comunicado publicado na rede social X.

A reunião lhe causou uma impressão "muito boa", declararam à AFP fontes de seu partido, A Liberdade Avança, que pediram anonimato.

- Boa 'predisposição' -

Sullivan felicitou Milei novamente por sua vitória eleitoral e se comprometeu "a prosseguir com a cooperação" bilateral estreita, segundo um comunicado divulgado pela Casa Branca durante a noite.

O influente conselheiro afirmou que se reuniu com Milei "para discutir a importância de seguir construindo a relação sólida entre os Estados Unidos e a Argentina em temas econômicos e nas prioridades compartilhadas, como o investimento em tecnologia e energia limpa, a defesa dos direitos humanos e defesa das democracias em todo o mundo".

Uma forma diplomática de mencionar dois temas: o aquecimento global, essencial na agenda de Biden e questionado por Milei, e os direitos humanos, depois que o presidente eleito da Argentina, de 53 anos, questionou o número de desaparecidos durante a ditadura em seu país.

Milei viajou aos Estados Unidos para abrir portas e o fez pelas mãos do embaixador Stanley, com a esperança de converter o país norte-americano em seu principal aliado e marcar distâncias com China e Rússia.

Pelo que se sabe, não houve encontros com membros do Partido Republicano nem com o ex-presidente Donald Trump, com quem Milei se dá muito bem e é frequentemente comparado.

Da Casa Branca, ele seguiu para o aeroporto para retornar à Argentina, sem se reunir com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Kristalina Georgieva, com quem falou na sexta-feira por videoconferência.

Seu chefe de gabinete Nicolás Posse e Luis Caputo, cotado como futuro ministro da Economia argentino, permaneceram nos Estados Unidos para uma reunião a nível técnico no FMI liderada pela número dois da organização, Gita Gopinath. Pela manhã, mantiveram outro encontro com funcionários do Departamento do Tesouro americano.

A Argentina tem que saldar um empréstimo de 44 bilhões de dólares (cerca de R$ 215 bilhões na cotação atual), em meio à sua pior crise econômica em duas décadas, com inflação de 140% e 40% da população na linha de pobreza.

- 'Desafios complexos' -

"Debateram os desafios complexos que o país enfrenta e os planos para fortalecer urgentemente a estabilidade e assentar as bases de um crescimento mais sustentável", informaram fontes oficiais do FMI.

"Ambas as equipes vão continuar colaborando estreitamente no futuro", acrescentaram.

A equipe de Milei espera que a relação com o Fundo seja fluida, dado que o presidente eleito, que se autodefine como anarcocapitalista, não teme os cortes de gastos.

O novo presidente propõe privatizar boa parte das empresas estatais e prometeu cortar os gastos públicos, inclusive mais do que pede o FMI.

Este "outsider" da política que tem aversão ao que chama de "casta", a elite política tradicional, advertiu que vai tomar decisões "difíceis" quando assumir o cargo em 10 de dezembro.

De cara, a Argentina precisa de recursos para fazer frente ao último vencimento do ano.

Para isso, teria que passar na análise regular do Fundo para averiguar se o país cumpre as condições fiscais e de reservas. O problema é que os números não batem. Milei também pode optar por repensar o programa de crédito com o FMI.

Enquanto isso, continuam as gestões para definir o governo que moldará a nova Argentina.

O último nome confirmado é o de Eduardo Rodríguez Chirillo, que estará à frente da pasta de Energia, segundo confirmou o gabinete de Milei em comunicado.

A primeira viagem aos Estados Unidos de Milei como presidente eleito começou na segunda-feira em Nova York, onde ele almoçou com o ex-presidente democrata Bill Clinton.

Antes, usando um kipá, visitou o túmulo do rabino de Lubavitch na metrópole dos arranha-céus. Um ato simbólico para o político argentino, de religião católica, mas muito interessado no judaísmo e a estreitar laços com Israel.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Irmão de Joe Biden depõe em investigação de republicanos sobre presidente
Mundo

Irmão de Joe Biden depõe em investigação de republicanos sobre presidente

Há 3 horas

Parlamento de Israel favorece Netanyahu e rejeita reconhecimento unilateral de Estado palestino
Mundo

Parlamento de Israel favorece Netanyahu e rejeita reconhecimento unilateral de Estado palestino

Há 3 horas

Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela
Mundo

Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela

Há 3 horas

Mãe de Alexei Navalni entra com ação judicial para liberação de corpo do ativista
Mundo

Mãe de Alexei Navalni entra com ação judicial para liberação de corpo do ativista

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais