Mundo

Itália decreta toque de recolher para conter 2ª onda de covid-19

Regiões da Itália serão divididas em três zonas em função da gravidade da epidemia. De acordo com a situação, as medidas serão mais ou menos restritivas

 (Guglielmo Mangiapane/Reuters)

(Guglielmo Mangiapane/Reuters)

A

AFP

Publicado em 4 de novembro de 2020 às 08h28.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, assinou na terça-feira à noite um decreto para instaurar um toque de recolher às 22H00 em todo o território nacional a partir de quinta-feira, informou a imprensa local.

Conte explicará durante o dia outras medidas, como o fechamento dos centros comerciais aos fins de semana. As restrições devem prosseguir até 3 de dezembro.

A Itália foi o primeiro país da Europa afetado pela epidemia de covid-19 em fevereiro e registra mais de 39.000 mortos provocadas pela doença, assim como 750.000 casos.

Segundo o novo decreto, as 20 regiões da Itália serão divididas em três zonas (verde, laranja e vermelho, em função da gravidade da situação epidemiológica). De acordo com sua situação, as medidas serão mais ou menos restritivas.

A nível nacional, um toque de recolher será aplicado de 22H00 às 5H00. Durante o período, os italianos serão autorizados a sair às ruas apenas para trabalhar ou por motivos de saúde devidamente justificados.

As aulas do Ensino Médio acontecerão online e os museus fecharão as portas.

Os centros comerciais permanecerão fechados nos fins de semana e feriados. Os transportes públicos circularão com 50% da capacidade total de passageiros.

Os cruzeiros também serão cancelados a partir de quinta-feira, exceto os que já estão em curso.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusItália

Mais de Mundo

Grécia vai construir a maior 'cidade inteligente' da Europa, com casas de luxo e IA no controle

Seis mortos na Nova Caledônia, onde Exército tenta retomar controle do território

Guerra nas estrelas? EUA ampliam investimentos para conter ameaças em órbita

Reguladores e setor bancário dos EUA devem focar em riscos essenciais, diz diretora do Fed

Mais na Exame