Acompanhe:

Israel: após declarações de Sánchez, governo convoca embaixador da Espanha para 'repreensão'

O governo de Tel Aviv reagiu às críticas, e hoje convocou os embaixadores de ambos os países "para uma dura conversa de repreensão"

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ao mesmo tempo, Sánchez renovou apoio à Palestina, e indicou que Madri poderá reconhecer o Estado palestino de forma unilateral (Eduardo Parra/Europa Press/Getty Images)

Ao mesmo tempo, Sánchez renovou apoio à Palestina, e indicou que Madri poderá reconhecer o Estado palestino de forma unilateral (Eduardo Parra/Europa Press/Getty Images)

A crise entre os governos de Espanha, Bélgica e Israel ganhou novos contornos nesta sexta-feira, 24. O estopim foram as declarações do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, sobre a situação na Faixa de Gaza, quando condenou a morte de civis por parte do exército israelense, o que foi respaldado pelo homólogo belga, Alexander de Croo.

O governo de Tel Aviv reagiu às críticas, e hoje convocou os embaixadores de ambos os países "para uma dura conversa de repreensão". Ao mesmo tempo, Sánchez renovou apoio à Palestina, e indicou que Madri poderá reconhecer o Estado palestino de forma unilateral, já que a União Europeia não o faz.

"Condenamos as falsas alegações dos primeiros-ministros de Espanha e da Bélgica que apoiam o terrorismo. Israel está agindo de acordo com o direito internacional e está combatendo uma organização terrorista assassina pior do que o ISIS, que está a cometendo crimes de guerra e crimes contra a humanidade", escreveu o ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen em sua conta na rede social "X". "Após a pausa, retomaremos as operações de combate até que o domínio do Hamas na Faixa de Gaza seja eliminado e todos os reféns sejam libertados", disse ainda.

Reações e conflitos internacionais

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu reagiu à afirmação de Sánchez, que chamou o número de civis mortos de "insuportável", da seguinte maneira: "se aceitarmos e não entrarmos porque morrem civis, perdemos. Você perde. A Espanha perde. A Bélgica perde. Porque isso vai se espalhar e vocês verão isso muito em breve. O terrorismo não vai parar. Se vencerem aqui, pretendem acabar com o Oriente Médio e depois irão para a Europa. Não estou exagerando", enfatizou.

Já Sánchez, garantiu nesta sexta-feira a partir da passagem fronteiriça de Rafah, entre o Egito e o sul da Faixa de Gaza, que espera que o cessar-fogo temporário seja o "prelúdio de uma solução permanente para aplainar o terreno" e ser capaz de resolver o conflito "permanentemente". O primeiro-ministro abriu a porta para a Espanha reconhecer unilateralmente o Estado palestino se a União Europeia não se comprometer com um reconhecimento coordenado. "Chegou a hora de a comunidade internacional e a UE reconhecerem de uma vez por todas o Estado da Palestina. É algo que vale a pena, que é suficientemente importante e que a União Europeia deve fazer em conjunto. Caso não, a Espanha tomará as suas próprias decisões", sublinhou.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela
Mundo

Desabamento de mina deixa ao menos 25 mortos na Venezuela

Há 3 horas

Mãe de Alexei Navalni entra com ação judicial para liberação de corpo do ativista
Mundo

Mãe de Alexei Navalni entra com ação judicial para liberação de corpo do ativista

Há 4 horas

Embaixada dos EUA alerta viajantes sobre dengue no Brasil
Mundo

Embaixada dos EUA alerta viajantes sobre dengue no Brasil

Há 5 horas

Trump se compara a Navalny por problemas jurídicos e evita criticar Putin
Mundo

Trump se compara a Navalny por problemas jurídicos e evita criticar Putin

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais