Mundo

Irã fecha aeroportos e companhias aéreas redirecionam voôs após ataque israelense

Às 04h45 no horário local (01h45 no horário de Brasilía), os aeroportos e o espaço aéreo, no entanto, foram reabertos, de acordo com a Reuters

Irã: Israel ataca país na noite de quinta-feira, 18 (Wikimedia Commons)

Irã: Israel ataca país na noite de quinta-feira, 18 (Wikimedia Commons)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 19 de abril de 2024 às 08h00.

O Irã fechou seus aeroportos em Teerã, Shiraz e Isfahan após o ataque de Israel contra o país, informou a Reuters. Por conta disso, as companhias aéreas precisaram mudar as rotas de voo sobre o Irã, cancelando alguns voos e devolvendo os aviões aos seus pontos de partida ou desviando destinos para aeroportos alternativos.

Às 04h45 no horário local (01h45 no horário de Brasilía), os aeroportos e o espaço aéreo, no entanto, foram reabertos e os avisos de fechamento publicados em um banco de dados da Administração Federal de Aviação dos EUA foram removidos.

Cancelamento e voos desviados

Antes da reabertura dos aeroportos, a Flydubai anunciou que tinha cancelado os seus voos de sexta-feira, 19, para o Irã. Um de seus voos anteriores voltou para Dubai, disse a companhia aérea.

Um voo da Iran Air de Roma para Teerã foi desviado para Ancara, na Turquia, mostrou o Flightradar 24.
Lufthansa da Alemanha (LHAG.DE), cancelou todos os voos para Tel Aviv e Erbil até sábado, 20, e disse que voaria pelo espaço aéreo iraquiano durante o mesmo período.

“A segurança dos passageiros e tripulações é sempre a principal prioridade”, afirmou.

Por algumas horas após o ataque, o Irã liberou voos da parte ocidental de seu espaço aéreo, de acordo com o site de rastreamento de voos FlightRadar24. Emirates, Flydubai, Turkish Air, Wizz Air Abu Dhabi e Belavia estavam entre as transportadoras que continuaram a sobrevoar a parte do espaço aéreo iraniano, mostrou o site de rastreamento.

“Estamos monitorando a situação de perto e faremos alterações em nossas rotas de voo em consulta com as autoridades relevantes”, disse Flydubai em comunicado.

Posicionamento das companhias

Muitas companhias aéreas ocidentais e asiáticas já se tinham afastado do Irã antes do ataque israelita. A Lufthansa informou na quarta-feira, 17, que estendeu a suspensão de voos para Teerã até o final do mês, citando preocupações contínuas de segurança na região.

Qantas Airways da Austrália disse no sábado passado que estava redirecionando os voos entre Perth e Londres devido a preocupações com o Oriente Médio, acrescentando uma parada para abastecimento de combustível em Cingapura, ao evitar o espaço aéreo iraniano.

China Airlines de Taiwan também informou em comunicado que “continua a prestar atenção à situação à medida que desenvolve e planeia as rotas mais apropriadas de acordo com as recomendações da Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) e da Agência de Segurança da Aviação da União Europeia."

A EVA Air de Taiwan disse à Reuters que seus voos já evitavam o espaço aéreo iraniano. A Etihad Airways, que não voa para o Irã, disse que “monitora continuamente a segurança e as atualizações do espaço aéreo", argumentando que a segurança é sempre a sua maior prioridade e nunca operariam um voo a menos que fosse seguro fazê-lo.

Acompanhe tudo sobre:IrãIsraelOriente Médiocompanhias-aereas

Mais de Mundo

Duas pessoas morrem e dezenas ficam feridas após desabamento em ilha na Espanha

Qual seria o impacto do programa econômico de Donald Trump nos EUA?

Brasil não tem nenhuma cidade no ranking das melhores do mundo; veja lista

Em Pequim, Amorim assina proposta com a China sobre guerra na Ucrânia

Mais na Exame