Investigação de pacotes suspeitos ainda está em estágio inicial, diz FBI

Governador de Nova York afirmou que os atos são "absolutamente terrorismo" com o objetivo de intimidar os cidadãos

Pacotes suspeitos: dispositivos são "potencialmente perigosos" e não estão sendo tratados como "fraudulentos", disseram autoridades (Kevin Coombs/Reuters)

Pacotes suspeitos: dispositivos são "potencialmente perigosos" e não estão sendo tratados como "fraudulentos", disseram autoridades (Kevin Coombs/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 25 de outubro de 2018 às 18h34.

Última atualização em 25 de outubro de 2018 às 18h48.

São Paulo - Representantes do FBI e da polícia de Nova York, além do governador nova-iorquino, Bill de Blasio, participaram de uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 25, em que abordaram a investigação em andamento dos dez pacotes suspeitos interceptados nos últimos dias no país.

"A investigação ainda está em seus estágios iniciais", disseram representantes do FBI. Os dispositivos identificados serão transportados pela polícia federal dos Estados Unidos nesta tarde ao Quantico, na Virgínia, para que sejam avaliados. "Estamos trabalhando rapidamente para analisar informações importantes", destacaram.

As autoridades afirmaram que não sabem se há mais pacotes suspeitos em outros lugares, mas indicaram que os cidadãos de Nova York "estão seguros e não há ameaças a indivíduos".

Elas também se recusaram a afirmar de onde acham que os pacotes vieram e se os dez são similares entre si, mas destacaram que os dispositivos são "potencialmente perigosos" e não estão sendo tratados como "fraudulentos".

Questionando, Blasio afirmou ainda que considera os atos como "absolutamente terrorismo" com o objetivo de intimidar os cidadãos. Já a polícia de Nova York garantiu que vai identificar os responsáveis pelo ato.

Mais de Mundo

Borrell anuncia novas sanções da UE ao programa de drones e mísseis do Irã

Trump orquestrou 'esquema criminoso' para influenciar eleições em 2016, diz promotoria em julgamento

UE garante continuidade da ajuda à Ucrânia, mas não se compromete

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Mais na Exame