Mundo

Indústria automotiva da China ainda enfrenta protecionismo da Europa e EUA, diz representante chinês

Wang Xia apontou que a taxa de utilização da capacidade da nova energia automotiva da China atualmente é de cerca de 76%, semelhante à dos Estados Unidos

CHINA - estrada - placas de transito - sinalização

FOTO: LEANDRO FONSECA
DATA: MAIO 2024

CHINA - estrada - placas de transito - sinalização FOTO: LEANDRO FONSECA DATA: MAIO 2024

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 10 de junho de 2024 às 10h51.

Nos últimos anos, a indústria automotiva de nova energia da China se fortaleceu no exterior, mas também passou a enfrentar barreiras tarifárias elevadas na Europa e nos Estados Unidos. O chefe da Subdivisão de Automóveis do Conselho Chinês para a Promoção do Comércio Internacional (CCPIT), Wang Xia, afirmou no Fórum Automotivo de Chongqing, que a China terminou o subsídio de compra de novos veículos energeticamente eficientes no final de 2022, enquanto os subsídios dos EUA, Japão, Alemanha e outros países ainda persistem.

Wang Xia apontou que a taxa de utilização da capacidade da nova energia automotiva da China atualmente é de cerca de 76%, semelhante à dos Estados Unidos.

A proporção das exportações de veículos de passageiros da China no total das vendas é apenas de 15,9%, muito menor que a da Alemanha, Japão, Coréia do Sul e outros países. O preço dos veículos elétricos da marca chinesa no exterior também é significativamente mais alto do que no país, enquanto o preço de alguns veículos elétricos de marca internacional na China é muito mais baixo do que no mercado europeu.

Wang Xia também disse que, desde que as joint ventures automotivas chinesas abriram a proporção de capital estrangeiro em 2022, a China entrou em uma nova era de cooperação internacional mais aberta e inclusiva, e as empresas automobilísticas chinesas e estrangeiras iniciaram uma nova rodada de cooperação bilateral abrangendo desde tecnologia, mercado, capital até canais.

Os novos veículos energeticamente eficientes da China representam a capacidade avançada, não só enriquecendo a oferta global, mas também fazendo uma enorme contribuição para a luta global contra as mudanças climáticas e contribuindo para a transição verde. A globalização é uma demanda objetiva da especialização profissional e da reciprocidade de recursos no setor econômico. A revolução tecnológica da indústria automotiva precisa mais da globalização.

Os líderes relevantes do Departamento de Indústria de Equipamentos do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação também disseram durante o fórum que alguns países e regiões abusam das medidas de socorro comercial, distorcendo gravemente a ecologia normal do desenvolvimento global da indústria.

A China acredita firmemente que a visão de construir um mundo mais limpo e verde está em conformidade com os interesses comuns de toda a humanidade, e as divisões globais da indústria da cadeia de produção, bem como a realização das leis objetivas de melhoria da qualidade, redução de custos e aumento da eficiência, não serão alteradas pelas políticas comerciais protecionistas impróprias de alguns.

Fonte: yicai.com

Acompanhe tudo sobre:ChinaCarros

Mais de Mundo

EUA anuncia que vai priorizar entregas de sistemas de defesa aérea Patriot para a Ucrânia

Putin ganha cães de Kim Jong-un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ozempic e Wegovy "acabam" com canetas de insulina na África do Sul; entenda

Investimento estrangeiro cai 10% no Brasil em 2023, aponta relatório da ONU

Mais na Exame