Acompanhe:

A Corte Internacional de Justiça, em Haia, determinou, nesta sexta-feira, 30, que a Venezuela não tome nenhuma ação agressiva contra a região fronteiriça de Essequibo, contestada por Caracas como parte de seu território, às vésperas da realização de um polêmico referendo sobre o tema.

O tribunal internacional considerou o tema urgente, por ver risco de invasão, e acatou o pedido da Guiana, que administra a região há décadas, por medidas provisórias. O órgão judicial também determinou que nenhum dos países tome medidas para agravar o conflito.

Por se tratar de um pedido de medida provisória, que antecede o julgamento de mérito sobre a questão da fronteira, a Corte precisou avaliar antes se havia realmente urgência que justificasse a imposição de medidas de maneira imediata. No argumento final, os magistrados apontaram que tanto o referendo quanto declarações oficiais recentes da cúpula do governo Maduro, incluindo do próprio presidente, justificariam a tomada de medidas.

"Em 24 de outubro de 2023, o presidente da Venezuela, Sr. Nicolás Maduro Moros, declarou publicamente que o referendo daria, pela primeira vez, aos venezuelanos, os meios para tomar 'uma decisão coletiva como país'. A Corte também observa que outras declarações oficiais sugerem que a Venezuela está tomando medidas com vistas a adquirir o controle e administrar o território em disputa. Por exemplo, em 6 de novembro de 2023, o Ministro da Defesa da Venezuela, general Vladimir Padrino López, fez um apelo para 'ir ao combate' com referência ao território em questão. Além disso, oficiais militares venezuelanos anunciaram que a Venezuela está a tomar medidas concretas para construir uma pista de aterragem que sirva de 'ponto de apoio logístico para o desenvolvimento integral do Essequibo'. A Corte considera que, à luz da forte tensão que caracteriza atualmente as relações entre as partes, as circunstâncias acima mencionadas representam um sério risco de a Venezuela anexar e exercer o controle e a administração do território em disputa no presente caso", diz o texto.

A sessão sobre o caso, realizada dois dias antes do referendo anunciado pelo governo venezuelano que pretende consultar a população sobre a anexação da região do Essequibo, determina que "a República Bolivariana da Venezuela deve se abster de quaisquer ações que possam modificar a situação que prevalece atualmente", citando a administração da região pela Guiana, até que o mérito da ação (a quem o território pertence de fato), vá a julgamento.

Embora não se refira diretamente ao referendo no texto das medidas provisórias, a Corte determina também que "as duas partes devem se abster de quaisquer ações que possam agravar ou estender a disputa antes da decisão [final] da Corte ou torná-la ainda mais difícil de resolver".

As determinações são resultado de um requerimento da Guiana, apresentado em 30 de outubro, em que o país denuncia o referendo do governo venezuelano como uma ação destinada a conquistar validação interna para dar suporte à decisão de Maduro de abandonar o processo na CIJ e aplicar medidas unilaterais para anexar o território do país.

A Venezuela reivindica a soberania sobre a região de Essequibo há décadas. A zona de 160 mil km2, rica em petróleo e recursos naturais, é equivalente a 2/3 do território da Guiana e abriga 125 mil dos 800 mil habitantes do país.

As tensões geram temores regionais de uma escalada bélica. Ontem, o Brasil enviou um contingente de soldados para o município de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, para reforçar a segurança na região. Na semana passada, o vice-presidente da Guiana, Bharrat Jagdeo, anunciou a visita de funcionários ao departamento de Defesa dos Estados Unidos e indicou que Georgetown contemplava a possibilidade de estabelecer bases militares aliadas.

— Nunca estivemos interessados em bases militares, mas temos que proteger nossos interesses nacionais — disse Jagdeo.

Entenda o referendo

O plano de Caracas é realizar um referendo no domingo, a fim de revogar uma sentença judicial de 1899, que estabeleceu a fronteira entre os países. Embora não seja vinculativo, o processo terá cinco perguntas, desde o reconhecimento da jurisdição da CIJ sobre a questão até a criação de uma província venezuelana chamada Guiana Esequiba, outorgando a nacionalidade venezuelana a seus habitantes.

De acordo com observadores do processo, o "sim" deve ganhar por grande maioria. E mesmo que a consulta não tenha consequências jurídicas, as autoridades esperam que sua reivindicação territorial seja rejeitada.

— A Venezuela reafirma sua recomendação categórica à audaz ação da Guiana para interferir em seus assuntos internos — declarou recentemente a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, questionando a ação no CIJ. A vice-presidente afirmou que a presença de representantes de seu país em Haia não significa o reconhecimento da jurisdição da Corte nesta causa.

Com AFP e O Globo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Drone dos EUA cai na costa do Iêmen após suposto ataque huthi
Mundo

Drone dos EUA cai na costa do Iêmen após suposto ataque huthi

Há 8 horas

Guangdong lidera em turismo durante o feriado prolongado na China
Mundo

Guangdong lidera em turismo durante o feriado prolongado na China

Há 9 horas

Venezuela e Rússia ampliam cooperação petroleira e citam uso de energia nuclear
Mundo

Venezuela e Rússia ampliam cooperação petroleira e citam uso de energia nuclear

Há 9 horas

Nikki Haley descarta desistir de disputa com Trump por indicação republicana
Mundo

Nikki Haley descarta desistir de disputa com Trump por indicação republicana

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais