Mundo

Guerra na Ucrânia: relíquias da mídia ganham relevância na era do Tiktok

Organizações de notícias estatais que datam do início da  Guerra Fria combatem desinformação com atuação no campo de batalha e uso intenso das redes sociais

Jornalistas estrangeiros em trincheira de batalha na região de Donbass, no leste da Ucrânia (NurPhoto/Getty Images)

Jornalistas estrangeiros em trincheira de batalha na região de Donbass, no leste da Ucrânia (NurPhoto/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 19 de março de 2022 às 13h03.

Última atualização em 19 de março de 2022 às 13h06.

Por Alex Webb

A invasão da Ucrânia pela Rússia tem sido amplamente chamada de “Primeira Guerra TikTok” por causa da enxurrada de vídeos das linhas de frente, ou pelo menos fingindo ser. Mas a mangueira de incêndio do conteúdo da guerra – muitas vezes de proveniência pouco clara – nas mídias sociais, tornou mais difícil do que nunca saber o que é verdadeiro.

Um vídeo pode ser o trabalho de propagandistas russos ou mesmo ucranianos ou até mesmo vir de um adolescente no Tennessee procurando ganhar dinheiro rápido com conteúdo viral reciclado. "Temos que verificar tudo", disse-me Iliya Semenov, um web designer de Kiev,  de 25 anos, enquanto as tropas russas tentavam cercar a cidade.

As enorme quantidade de desinformação trouxeram renovada relevância a uma família de organizações de notícias estatais que datam do início da  Guerra Fria. O Serviço Mundial da BBC teve uma estação em idioma russo de 1946 a 2011, mas continua a empregar dezenas de jornalistas que reportam para seus sites em russo e ucraniano e relançou seu serviço de ondas curtas para a região.

A Rádio Svoboda, apoiada pelos EUA (uma estação irmã da Radio Europa Livre), que introduziu transmissões russas e ucranianas na década de 1950, construiu uma considerável presença nas mídias sociais locais.

Enquanto outros players globais, como a Radio France Internationale e a Voz da América, também visam a programação na região em idiomas locais, a BBC e a Svoboda foram mais rápidas em se adaptar aos tempos. Os serviços ucranianos das duas emissoras publicam atualizações regulares no Telegram, um aplicativo de mensagens criptografadas onde Semenov diz que recebe a maioria de suas notícias.

Seus seguidores são comparáveis ​​aos dos canais ucranianos como ZN.ua e Censor.net. Os visitantes do site russo da BBC triplicaram, para um recorde de 10.7 milhões, na primeira semana da invasão. E a emissora agora disponibilizou o mesmo conteúdo no TOR, um navegador que burla os censores russos que bloquearam o acesso ao site na internet pública.

As emissoras podem tomar essas medidas porque não respondem aos acionistas da mesma forma que a maioria das organizações de notícias. Embora todos recebam financiamento do governo, deixando-os abertos a críticas por serem porta-vozes da propaganda, mesmo no auge da Guerra Fria, pessoas como o dissidente tcheco, Vaclav Havel, que se tornou presidente se promoveram como estandartes da verdade em um mar de mentiras.

Ultimamente, tornou-se moda para os legisladores em Washington e Londres questionarem o propósito da transmissão internacional, e seus orçamentos sofreram com isso. À medida que a Rússia introduz leis que podem dar aos jornalistas penas de prisão de 15 anos por qualquer história considerada “falsa” – levando a BBC, a Rádio Svoboda e muitos outros meios (incluindo a Bloomberg News) a pausar suas reportagens de dentro do país enquanto continuam a cobertura do exterior – está ficando claro o quão importante as emissoras públicas podem ser, mesmo décadas depois de sua fundação.

Tradução de Anna Maria Dalle Luche.

Acompanhe tudo sobre:BBCFake newsRússiaTikTokUcrânia

Mais de Mundo

Pessoa morre ao entrar em motor de avião da Embraer no aeroporto de Amsterdã

Campanha presidencial mexicana chega ao fim com duas candidatas na disputa

Temperatura na capital da Índia bate recorde e supera 50ºC

Telescópio europeu Euclides descobre novos "planetas órfãos"

Mais na Exame