Mundo

Governo Milei anuncia pacotaço para tentar conter inflação e desvaloriza o peso

Cotação oficial da moeda vai de 400 para 800 pesos; veja outras medidas

 (Pablo Porciuncula/AFP)

(Pablo Porciuncula/AFP)

Rafael Balago
Rafael Balago

Repórter de macroeconomia

Publicado em 12 de dezembro de 2023 às 19h41.

Última atualização em 13 de dezembro de 2023 às 13h25.

O governo de Javier Milei anunciou, na tarde desta terça, 12, um pacote de medidas para tentar resolver a crise na Argentina que inclui forte desvalorização do peso e cortes de despesas.

O pacote, inicialmente previsto para a segunda-feira, foi anunciado por Luis Caputo, ministro da Economia. A lista de medidas tem como destaque a desvalorização do peso, cuja cotação oficial passará para 800 pesos por dólar. Antes, era de 400 pesos por dólar. Outras medidas são:

  • Os contratos de trabalho com o Estado com menos de um ano de vigência não serão renovados.
  • Anúncios publicitários do governo serão suspensos por um ano.
  • As secretarias serão reduzidas de 106 a 54.
  • Transferências do governo federal para as províncias serão reduzidas ao mínimo.
  • Não haverá novas obras públicas. As que já foram licitadas e não iniciadas serão canceladas.
  • Subsídios a energia e transporte serão suspensos.

Milei tomou posse no domingo, 10, como presidente do país. Desde que venceu as eleições, ele vem dizendo que será preciso fazer um ajuste duro no país para reduzir os gastos públicos e, assim, conter a inflação, que supera os 140% ao ano.

Mais cedo nesta terça, Milei pediu que cada ministério reduza seus gastos em 10% a mais do que o previsto no plano anunciado por Caputo.

Nesta terça, o dólar chegou a 1.070 pesos na cotação paralela, chamada de blue. No câmbio oficial, de acesso restrito, cada dólar vale 400,50 pesos. O país viveu um feriado cambial na segunda e terça, enquanto esperava os anúncios de Milei.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaJavier Milei

Mais de Mundo

Mais de 10 mil migrantes cruzaram o Canal da Mancha desde o início do ano, um recorde

Israel tem a intenção de retomar negociações sobre Gaza esta semana, diz agência

Quatro anos após o assassinato de George Floyd, seu irmão ainda tem pesadelos

Em crise, Butão quer reerguer economia através da 'felicidade bruta'

Mais na Exame