Mundo

Governo argentino denuncia ex-presidente Macri por enviar armas à Bolívia

O presidente argentino Alberto Fernández considerou a suspeita "muito grave" e disse ser necessária a denúncia, segundo a imprensa local

Mauricio Macri (Ueslei Marcelino/Reuters)

Mauricio Macri (Ueslei Marcelino/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 12 de julho de 2021 às 20h06.

O governo do presidente da Argentina, Alberto Fernández, denunciou judicialmente nesta segunda-feira, 12, o ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019) e quase uma dezena de funcionários da gestão Cambiemos pelo envio de "material repressivo" à Bolívia em novembro de 2019, informa a agência estatal Télam.

Como a política internacional impacta os investimentos? Aprenda a investir com a EXAME Academy

O episódio ocorreu, segundo a agência, quando o presidente Evo Morales, que estava no poder desde 2019, acabou forçado a renunciar em meio a violentos protestos, no que a agência argentina qualifica como um "golpe de Estado".

A atual administração acusa Macri e funcionários dele de enviar ilegalmente armamento e munições para a Bolívia, colocando o material "à disposição da ditadura que recém havia tomado o poder no país vizinho, encabeçada por Jeanine Áñez".

A denúncia judicial diz que houve a adulteração de quantidades e destinações declaradas em distintas instâncias de controle, inclusive o serviço aduaneiro, para colaborar com o novo regime no país vizinho.

Fernández considerou a suspeita "muito grave" e disse ser necessária a denúncia, segundo a imprensa local.

Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

Acompanhe tudo sobre:Alberto FernándezArgentinaArmasBolíviaEvo MoralesMauricio Macri

Mais de Mundo

Para aumentar inovação, Xangai emite regulamento para gestão de projetos de tecnologias disruptivas

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Mais na Exame