Mundo

Gasto militar global bate recorde em 2023 com aprofundamento das guerras em Gaza e na Ucrânia

Tensões regionais com a China e a Coreia do Norte também contribuíram para um aumento de 9% no orçamento de defesa dos países no último ano

O conflito entre Israel e os Estados Unidos provavelmente estimulará vários atores a se prepararem para possíveis escaladas desenfreadas (Dmytro Smolienko / Ukrinform/Future Publishing/Getty Images)

O conflito entre Israel e os Estados Unidos provavelmente estimulará vários atores a se prepararem para possíveis escaladas desenfreadas (Dmytro Smolienko / Ukrinform/Future Publishing/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 20 de fevereiro de 2024 às 08h49.

Um mundo cada vez mais perigoso está seguindo resolutamente o caminho do rearmamento. A Conferência de Segurança de Munique, realizada no fim de semana, pintou um quadro nítido de uma tendência que mostra poucos sinais de diminuição. Os gastos militares globais em 2023 foram 9% maiores do que no ano anterior, atingindo um valor de US$ 2,2 trilhões (R$ 10,91 trilhões), um novo recorde em uma tendência já ascendente, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos na véspera do fórum. Esse valor é maior do que o PIB de um país como a Itália. E tudo indica que haverá mais crescimento.

A tendência é global e afeta particularmente a Europa, devido à escalada da guerra na Ucrânia e às perspectivas de retorno de Donald Trump ao poder nos Estados Unidos pouco compromissado com seus aliados; a Ásia-Pacífico, devido à ascensão da China e à retórica agressiva da Coreia do Norte; e o Oriente Médio, em meio a uma espiral turbulenta após as hostilidades entre o Hamas e Israel. O rearmamento diz respeito tanto às armas convencionais quanto às nucleares, com as potências investindo na modernização e inovação dos arsenais.

No fórum de Munique, o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, aproveitou a presença de seus colegas chineses e indianos para compartilhar algumas das informações em seu poder sobre a nova arma nuclear que, segundo Washington, a Rússia está desenvolvendo. Trata-se de um desenvolvimento que lhe permitiria colocar uma ogiva atômica no espaço, algo proibido pelo atual tratado internacional sobre esse domínio, e que lhe permitiria causar uma interrupção brutal de todos os serviços ligados a satélites. Washington está buscando a cumplicidade de Pequim e Nova Délhi, que têm maior influência sobre Moscou, para evitar uma escalada mais séria por parte do Kremlin.

Veja a seguir o desenvolvimento dessa fase de rearmamento nas regiões mais estratégicas, em um contexto em que os EUA continuam sendo, de longe, o país com o maior orçamento (cerca de R$ 900 bilhões), seguidos pela China (cerca de US$ 220 bilhões, quase o dobro se avaliado em paridade de poder de compra).

Europa

A Conferência de Segurança de Munique assistiu a um verdadeiro desfile de declarações de políticos europeus alertando sobre os riscos ligados à agressividade da Rússia e à perspectiva de vitória de um Trump cujo compromisso com a Ucrânia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) é duvidoso. Desde 2014, quando o Kremlin anexou a Crimeia, a Europa começou a reverter o que o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, definiu como uma era de "desarmamento silencioso".

O aumento dos gastos com defesa se acelerou após a invasão em grande escala da Ucrânia. Em 2014, os aliados europeus da Otan gastaram US$ 235 bilhões, 1,47% do PIB. Em 2023, o número subiu para US$ 347 bilhões (ambos calculados a preços constantes de 2015), equivalente a 1,85% do PIB. Até 2024, são esperados US$ 380 bilhões e 2%, respectivamente, de acordo com dados publicados pela Otan.

Em Munique, houve uma sucessão de mensagens de líderes que acreditam que a Europa precisa fazer muito mais e muito rapidamente, desde o próprio Borrell até o chanceler alemão, Olaf Scholz, ou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que anunciou a apresentação em três semanas de uma nova estratégia industrial de defesa e sua intenção de nomear um comissário de defesa se obtiver um novo mandato em seu cargo. O objetivo é aumentar as capacidades tanto para manter a resiliência da Ucrânia hoje quanto para ter uma forte capacidade de dissuasão amanhã diante das más ideias de Putin, especialmente se Trump voltar ao poder.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)ArmasIndústria de armasIsraelHamasFaixa de GazaPalestinaUcrâniaRússiaGuerras

Mais de Mundo

Morte de presidente do Irã não deve gerar revolução, mas disputa silenciosa, diz especialista

EUA: Yellen pedirá a aliados europeus para atuar de modo conjunto nas sanções contra a Rússia

Julgamento de Trump entra em fase final, em meio a suspense sobre seu testemunho

Tensão entre Milei e Sánchez, primeiro-ministro da Espanha, se desdobra em crise diplomática

Mais na Exame