Mundo

Franceses voltam a protestar contra a reforma da Previdência de Macron

A rejeição dos franceses foi demonstrada em vários protestos desde 19 de janeiro, além de greves nos transportes e no setor de energia

Protesto contra reforma da Previdência em Paris. (AFP/AFP)

Protesto contra reforma da Previdência em Paris. (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 11 de março de 2023 às 15h27.

Os franceses saíram às ruas neste sábado (11) para a sétima jornada de protestos contra a impopular reforma da Previdência do presidente Emmanuel Macron.

Os sindicatos convocaram o protesto para sábado com a esperança de atrair mais trabalhadores e esperam forçar Macron a recuar em sua iniciativa.

Dois terços dos franceses, segundo as pesquisas, são contrários ao plano de elevar a idade de aposentadoria de 62 para 64 anos a partir de 2030, além de antecipar para 2027 a exigência de contribuição por 43 anos (e não 42 como atualmente) para que o aposentado receba a pensão integral.

A rejeição dos franceses foi demonstrada em vários protestos desde 19 de janeiro, além de greves nos transportes e no setor de energia.

Até o momento, no entanto, as ações não conseguiram provocar a retirada do projeto, que está sendo debatido no Senado (câmara alta) e ainda deve passar pela Assembleia Nacional (câmara baixa) para uma votação final.

"É a reta final", disse Marylise Leon, secretária-geral adjunta do sindicato CFDT. "Tudo está em jogo agora", declarou em entrevista à rádio Franceinfo.

A tensão sobre a reforma atingiu o pico esta semana, depois que Macron se recusou a aceitar reuniões com representantes dos sindicatos, o que provocou "muita irritação", segundo Philippe Martinez, líder do sindicato CGT.

"Quando milhões de pessoas estão nas ruas, quando há greves e tudo o que recebemos do outro lado é o silêncio, as pessoas perguntam: O que mais temos que fazer para sermos ouvidos?", afirmou, antes de pedir um referendo sobre a reforma previdenciária.

"Como ele está muito seguro de si, o presidente da República deveria consultar o povo. Veremos qual é a resposta do povo", propôs.

"Imploro aos que governam este país que saiam desta forma de negação do movimento social", insistiu o líder do sindicato CFDT, Laurent Berger.

A polícia espera a presença de entre 800.000 e um milhão de pessoas nos 230 protestos organizados em todo o território.

Pouco depois das 17h30 locais, a CGT informou à AFP que quase 300.000 pessoas protestaram na capital, um número muito menor que o registrado na terça-feira.

Acompanhe tudo sobre:FrançaEmmanuel MacronProtestos

Mais de Mundo

Alta Corte da ONU decide nesta sexta se Israel deve encerrar ofensiva em Rafah

Israel afirma ter encontrado corpo de brasileiro refém do Hamas na Faixa de Gaza

China tem segundo dia de exercícios militares próximos a Taiwan

Duas pessoas morrem e dezenas ficam feridas após desabamento em ilha na Espanha

Mais na Exame