Fernández vai a Israel e Cristina assume presidência argentina

O presidente irá visitar o museu do holocausto em Jerusalém e relembrar o atentado contra uma comunidade judaica argentina que matou 85 pessoas em 1994

São Paulo — Pouco mais de um mês após ter assumido a presidência da Argentina, o peronista Alberto Fernández escolheu Israel como destino de sua primeira viagem internacional à frente do governo.

Além de encontros bilaterais, na agenda do presidente, que chega ao país nesta quarta-feira e deve retornar a Buenos Aires no sábado, está a participação no Fórum Internacional sobre Antissemitismo, ocasião que deve desenterrar um controverso atentado contra uma comunidade judaica argentina que até hoje é visto como uma mancha obscura na história recente do país.

O primeiro compromisso de Fernández em solo israelense será ainda nesta quarta-feira, um jantar oferecido pela comunidade judaica a líderes de diversos países, entre eles Vladimir Putin, da Rússia, e Emmanuel Macron, da França. O presidente argentino também deve ter um encontro bilateral com seu par local, Reuven Rivlin, e, na quinta-feira, visitar o museu do holocausto de Jerusalém. 

Além de desenterrar um labirinto de narrativas, o local escolhido para a primeira viagem internacional do novo presidente endossa a tentativa de afastar a imagem de Fernández de sua vice, Cristina Kirchner.

A visita a Israel ocorre poucos dias após o 5° aniversário da morte do procurador Alberto Nisman, encontrado em seu apartamento com um tiro na cabeça no dia 18 de janeiro de 2015, às vésperas de apresentar uma denúncia contra a então presidente Kirchner ao Congresso argentino. 

Para a comunidade judaica da Argentina, Nisman é considerado a vítima número 86 do atentado à organização beneficente Amia, que teve sua sede destruída por um bomba em 1994, matando 85 judeus. O atentado atribuído a autoridades do Irã até hoje é um assunto não resolvido na Argentina. 

Após assumir as investigações do caso, Nisman apontou que, em 2012, o governo de Kirchner teria negociado um acordo com Teerã para acobertar autoridades iranianas de alto escalão suspendendo alertas vermelhos da Interpol. Em troca, a Argentina seria favorecida com acordos comerciais e com petróleo iraniano. 

Antes de apresentar o resultado de suas investigações ao Congresso, em 2015, Nisman foi encontrado morto. Até hoje, nem a morte do procurador nem o atentado à Amia foram de fato esclarecidos. 

Ao participar do fórum sobre antissemitismo e visitar o museu do holocausto em Israel, Fernández inevitavelmente reavivará uma parte sombria e não explicada da história recente argentina. Em contrapartida, devolve ao poder, de forma interina, sua vice-presidente — fato que tem sido motivo de excitação entre os kirchneristas nos últimos dias. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.