Mundo

EUA deve aprovar dose de reforço após 6 meses da segunda dose

Os dados de fabricantes de vacinas e outros países em revisão pela FDA (a Anvisa americana) se baseiam em reforços sendo dados em seis meses

 (Henry Nicholls/File Photo/Reuters)

(Henry Nicholls/File Photo/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 26 de agosto de 2021 às 08h42.

Última atualização em 26 de agosto de 2021 às 11h06.

Reguladores dos Estados Unidos devem aprovar uma dose de reforço da vacina contra a covid-19 para pelo menos seis meses após a dose anterior, em vez do intervalo de oito meses anunciado anteriormente, disse uma fonte familiarizada com os planos.

Os dados de fabricantes de vacinas e outros países em revisão pela Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, a Anvisa americana) se baseiam em reforços sendo dados em seis meses, segundo a fonte.

A aprovação dos reforços para todas os três imunizantes administrados nos EUA - as fabricadas pela Pfizer, em parceira com BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson (J&J) - é esperada para meados de setembro. A Casa Branca diz haver oferta suficiente para as doses reforços. Os EUA compraram um total de 1 bilhão de doses da Pfizer e Moderna.

Na quarta-feira, 25, a Pfizer e a BioNTech informaram que pediram aos reguladores de saúde dos EUA que autorizassem a terceira dose e enviaram dados adicionais de eficácia. A FDA concedeu aprovação integral para o profilático das farmacêuticas na última segunda-feira.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEstados Unidos (EUA)Johnson & JohnsonModernaPfizerVacinas

Mais de Mundo

Submarino russo chega a Cuba e causa apreensão no Ocidente

Com cúpula do G7, Giorgia Meloni tenta se consolidar como protagonista da direita europeia

O que é a Lei de Bases, reforma econômica de Milei que provocou manifestações na Argentina

Hunter Biden: entenda as condenações do filho do presidente dos EUA

Mais na Exame