Mundo

EUA anunciam novo bombardeio à Al-Qaeda na Síria

De acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), vários dirigentes do grupo Hurras al Din, vinculado à Al-Qaeda, morreram no ataque

Síria: desde 2014, a coalizão atacou líderes jihadistas na Síria, mas os bombardeios diminuíram desde 2017 (Omar Sanadiki/Reuters)

Síria: desde 2014, a coalizão atacou líderes jihadistas na Síria, mas os bombardeios diminuíram desde 2017 (Omar Sanadiki/Reuters)

A

AFP

Publicado em 1 de julho de 2019 às 14h32.

Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira (1º) que atacaram líderes da Al-Qaeda na região noroeste da Síria.

"Esta operação teve como alvos agentes da Al-Qaeda na Síria, responsáveis pelo planejamento de ataques que ameaçam cidadãos americanos, nossos aliados ou civis inocentes", afirmou o Comando Central Americano em um comunicado.

"Com nossos aliados e parceiros, continuaremos a atacar o Daesh (sigla em árabe do grupo Estado Islâmico) e a Al-Qaeda, para evitar que esses dois grupos usem a Síria como refúgio", afirma o comunicado.

De acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), vários dirigentes do grupo Hurras al Din, vinculado à Al-Qaeda, morreram no domingo em bombardeios da coalizão no noroeste da Síria.

 

"Seis líderes, incluindo dois tunisianos, dois argelinos, um egípcio e um sírio, foram mortos por um bombardeio visando uma reunião em (...) uma área a oeste de Aleppo", vizinha da província de Idlib, informou o OSDH.

Desde sua criação em 2014, a coalizão atacou líderes jihadistas no noroeste da Síria, mas os bombardeios diminuíram significativamente desde 2017.

Fundado em fevereiro de 2018, o grupo Hurras al-Din possui cerca de 1.800 combatentes sírios e estrangeiros, segundo o OSDH.

É ativo na região de Idlib e em zonas das províncias vizinhas de Hama, Aleppo e Latakia. O grupo é dominado pelo Hayat Tahrir al-Sham (HTS), ex-facção síria da Al-Qaeda.

O OSDH, que possui uma ampla rede de fontes em toda a Síria, anunciou no domingo que não foi capaz de determinar a origem dos tiros, dizendo "ignorar se foi um bombardeio da coalizão ou da Rússia", aliada do regime sírio de Bashar al-Assad.

Por outro lado, desde o final de abril o regime de Damasco e seu aliado russo intensificaram seus bombardeios na região de Idlib, um dos últimos redutos que fogem ao controle do governo de Damasco.

Na fronteira com a Turquia, a região de Idlib foi alvo de um acordo alcançado em 2018 entre Ancara, que apoia alguns grupos rebeldes ativos na região, e Moscou, para criar uma "zona desmilitarizada".

Mas este acordo nunca foi implementado em sua totalidade, por causa da recusa dos jihadistas em se retirar da zona tampão prevista.

Acompanhe tudo sobre:Al QaedaEstado IslâmicoEstados Unidos (EUA)GuerrasSíria

Mais de Mundo

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Discurso de Trump não empolga e foco volta para possível saída de Biden; veja episódio

Telão da Times Square fica escuro após apagão cibernético; veja vídeo

Mais na Exame