Mundo

Estado Islâmico assume autoria de ataques que deixaram 84 mortos no Irã

De acordo com agências internacionais, dois membros do grupo jihadista usavam coletes explosivos perto da mesquisa onde ocorreu o atentado

Estado Islâmico (Agence France-Presse/AFP)

Estado Islâmico (Agence France-Presse/AFP)

Publicado em 4 de janeiro de 2024 às 15h24.

Última atualização em 4 de janeiro de 2024 às 15h29.

O grupo Estado Islâmico assumiu, nesta quinta-feira, 4, a autoria pelas duas explosões da última quarta-feira em Kerman, no Irã, que provocaram a morte de pelo menos 84 pessoas durante uma procissão em homenagem ao general Qassem Soleimani, morto pelos Estados Unidos em 2020.

No Telegram, o grupo jihadista chamou o atentado de "dupla operação de martírio" e descreveu como dois de seus membros "detonaram seus coletes de explosivos" no meio de uma grande multidão perto do túmulo do general Soleimani.

Segundo informações da AFP, a agência estatal Irna já havia indicado que a primeira explosão foi provocada por um suicida, cujo corpo foi encontrado em pedaços. A segunda explosão está sendo investigada, mas provavelmente também ocorreu devido a um ataque suicida.

As autoridades iranianas estimaram em 103 o número de mortos nas duas explosões na quarta-feira. Mas o ministro do Interior, Ahmad Vahidi, disse nesta quinta-feira que 84 pessoas foram mortas, de acordo com a agência de notícias semioficial Tasnim. O atentado ainda deixou 284 feridos, dos quais 195 seguem hospitalizados.

O ministro do Interior, Ahmad Vahidi, alertou, no entanto, que o balanço ainda poderia aumentar, já que alguns feridos se encontram em "estado crítico".

Já o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, prometeu uma "resposta dura" e outros dirigentes iranianos acusaram Israel e Estados Unidos.

Ainda nesta quinta, Teerã decretou um "dia de luto nacional", após o atentado mais sangrento do país desde 1978, quando um incêndio criminoso causou pelo menos 377 mortos em um cinema em Abadan (sudoeste), segundo informações da AFP.

O que dizem os EUA

De acordo com o jornal The New York Times, o anúncio do Estado Islâmico coincide com as avaliações do serviço de inteligência americana, que já havia indicado que o ataque teria sido cometido pela organização. Os agressores foram idenficados como Omar al-Mowahid e Sayefulla al-Mujahid.

As alegações do Estado Islâmico também contrastavam com os relatos iniciais iranianos de que as bombas haviam sido colocadas em dois sacos e detonadas remotamente ao longo da estrada para o cemitério em Kerman, na qual milhares de pessoas que participavam da comemoração estavam caminhando.

Autoridades americanas disseram que é improvável que a intenção do Estado Islâmico seja incriminar Israel pelos bombardeios ou desencadear uma guerra mais ampla.

Como foi o atentado?

O atentado duas explosões em um intervalo de 15 minutos ocorreu perto da mesquita de Saheb al Zaman em Kerman (sul), onde fica o túmulo do general Qasem Soleimani, encarregado pelas operações militares iranianas no Oriente Médio, assassinado pelos Estados Unidos no Iraque em 3 de janeiro de 2020.
O ataque ocorreu em plena tensão no Oriente Médio e um dia depois que o número 2 do movimento islamista palestino Hamas, Saleh Al Aruri, aliado do Irã, morreu em um ataque em Beirute, que as autoridades libanesas atribuíram a Israel.
Acompanhe tudo sobre:Estado IslâmicoExplosõesIrãEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Biden quer usar ativos congelados da Rússia para reconstruir Ucrânia

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Mais na Exame