Enviado dos EUA pede que Coreia do Norte retome diplomacia

A autoridade pediu ao país que retome as negociações para sua desnuclearização

Seul - O enviado especial dos Estados Unidos para a Coreia do Norte, Glyn Davies, que chegou nesta segunda-feira a Seul em visita oficial, pediu ao regime comunista "demonstrar sua intenção de voltar à diplomacia" e retomar as negociações para sua desnuclearização.

O enviado, que visitará nesta semana Coreia do Sul, China e Japão para analisar o estado da península coreana, considerou que "é o momento de a Coreia do Norte retomar o caminho da desnuclearização e começar a dar passos que mostrem sua intenções de voltar à diplomacia", informou a agência "Yonhap".

Os EUA fazem parte, com a Coreia do Sul, a China, o Japão e a Rússia, da mesa para tentar retomar o diálogo que procura encerrar o programa nuclear do regime do líder Kim Jong-un, e que está paralisado por Pyongyang desde 2008.

Em sua chegada ao aeroporto sul-coreano, Davies ressaltou ainda a importância de a China, principal aliada de Pyongyang, ter cortado laços com a maior entidade financeira da Coreia do Norte como punição por seu último teste nuclear, o que considerou "um sinal promissor".

Neste sentido, para Davies a decisão no início do mês do Banco da China de suspender sua ligação com o Banco de Comércio Estrangeiro norte-coreano é um movimento "muito interessante" por considerá-lo um sinal que Pequim está tomando uma postura mais dura com o regime comunista.


O enviado americano chegou a Seul para se reunir a partir de amanhã com as autoridades da Coreia do Sul com o objetivo de abordar a situação atual na península coreana, em um momento de relativa tranquilidade, após a campanha de ameaças da Coreia do Norte.

Em suas próximas reuniões, Davies espera analisar "os passos dados" até o momento e "se existem outras formas" de "mandar uma contundente e unitária resposta à Coreia do Norte", detalhou.

Sobre a aparente situação de calma na Coreia do Norte, que segundo a inteligência americana teria recuado mísseis preparados para lançamento no litoral oriental norte-coreano, Davies avisou que "muitas vezes" Pyongyang "cria a impressão de diminuir a tensão" embora não o faça realmente.

"Acho que haverá redução da tensão e progresso diplomático quando a Coreia do Norte começar a assumir suas obrigações" com a comunidade internacional, concluiu o emissário. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também