Mundo

Enchentes na Rússia afetam mais de 10 mil edifícios residenciais

Até o momento, não há registros de vítimas relacionadas ao desastre

Rússia: diversas regiões são acometidas por enchentes (Anatoliy ZHDANOV/Kommersant Photo/AFP)

Rússia: diversas regiões são acometidas por enchentes (Anatoliy ZHDANOV/Kommersant Photo/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 8 de abril de 2024 às 11h32.

Última atualização em 8 de abril de 2024 às 11h50.

Mais de 10 mil edifícios residenciais foram danificados nas regiões russas dos Urais, do Volga e da Sibéria Ocidental, anunciaram as autoridades nesta segunda-feira, 8, por enchentes que não eram observadas há décadas e que causaram milhares de evacuações. Até o momento, não há registros de vítimas relacionadas ao desastre.

As enchentes de magnitude excepcional foram causadas nos últimos dias por fortes chuvas associadas ao aumento da temperatura, ao degelo crescente e à quebra do gelo invernal que cobre os rios. "Mais de 10,4 mil imóveis residenciais estão inundados", disse o Ministério de Emergências da Rússia nesta segunda-feira.

Segundo o Kremlin, os governadores das regiões de Orenburg, Kurgan, Tyumen e o ministro de Situações de Emergência relataram nesta segunda-feira a situação ao presidente Vladimir Putin, que ordenou a criação de uma comissão especial.

Putin não planeja visitar o local, segundo seu porta-voz, Dmitri Peskov, que acredita que a situação "vai piorar ainda mais". A maioria das retiradas de moradores ocorre atualmente na região de Orenburg, na fronteira com o Cazaquistão. Mais de 6,1 mil pessoas foram retiradas, incluindo 1,4 mil crianças, disseram as autoridades locais nesta segunda-feira.

Grande parte da segunda maior cidade da região, Orsk (220 mil habitantes), foi inundada após o rompimento de uma barragem perto do rio Ural na noite de sexta-feira, 5. Imagens publicadas pela imprensa russa mostram o centro da cidade e bairros cobertos de água.

Segundo as autoridades locais, o nível do rio em Orsk subiu de 16 para 872 centímetros na capital regional Orenburg (570 mil habitantes).

Sem precedentes

A agência meteorológica oficial da Rússia, Rosguidromet, anunciou um pico de enchentes em Orenburg e arredores na quarta-feira. O prefeito da cidade indicou que a região não sofria enchentes dessa magnitude há décadas.

"Há muito tempo que não víamos tanta água em Orenburg. A última inundação deste tipo data de 1942", sublinhou o prefeito Sergei Salmin, citado pela imprensa russa. Na sua conta no Telegram, indicou que 1.535 imóveis residenciais foram danificados e pediu aos habitantes das zonas inundadas que as evacuassem "porque a situação vai piorar nos próximos dois dias".

Mais de 570 pessoas foram levadas para a região de Kurgan, também na fronteira com o Cazaquistão, detalharam as autoridades regionais nesta segunda-feira, temendo uma cheia do rio Tobol.

Várias centenas de quilômetros ao norte, a grande cidade de Tyumen (800 mil habitantes), capital da região que leva o mesmo nome, também poderá ser afetada pelas enchentes, comentou o vice-ministro das Emergências, Viktor Iatsutsenko, citado pela agência Ria Novosti.

A Rússia é regularmente afetada por fenômenos meteorológicos extremos, como enchentes ou incêndios florestais devastadores, muitas vezes acentuados pelos efeitos da mudança climática. Putin, cujo país é um grande produtor de hidrocarbonetos, não nega a realidade da mudança climática, mas expressa dúvidas de que seja resultado de atividades humanas. No entanto, garantiu que a adaptação da Rússia e de suas infraestruturas aos desafios do aquecimento global é uma prioridade.

Acompanhe tudo sobre:RússiaEnchentes

Mais de Mundo

Biden usa condenação de Trump para pedir doações para campanha nas redes sociais

Trump vai ser preso? Quando sai a sentença? Veja respostas

Com novo primeiro-ministro, Haiti se debate entre a esperança e a prudência

Trump é condenado por fraude em processo envolvendo suborno a ex-atriz pornô

Mais na Exame