Eleições nos EUA: julgamento de Trump sobre suas ações nas eleições de 2020 é adiado em Washington

Expectativa agora é se outro caso envolvendo o ex-presidente será julgado em Nova York no final de março

Tese de Trump é que o governo não tem autoridade para julgá-lo no tempo em que esteve na Presidência (Charly Triballeau/AFP)
Tese de Trump é que o governo não tem autoridade para julgá-lo no tempo em que esteve na Presidência (Charly Triballeau/AFP)

Publicado em 2 de fevereiro de 2024 às 05h03.

Última atualização em 5 de fevereiro de 2024 às 13h47.

A data de julgamento do ex-presidente Donald Trump, marcada para 4 de março, no caso em que é acusado de conspiração para reverter os resultados da eleição de 2020, foi removida do calendário público do tribunal federal em Washington

Segundo o Washington Post, a alteração não apareceu no registro oficial do processo criminal. A juíza federal, Tanya S. Chutkan, responsável por esse julgamento, já havia dito que os prazos seriam suspensos enquanto o republicano contesta a acusação.

Na apelação, Trump argumenta que o governo não tem autoridade, segundo a Constituição, para apresentar acusações contra ele por ações tomadas enquanto era presidente após a eleição de 2020 até o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021, quando ele tentou impedir o Congresso de confirmar a vitória de Joe Biden.

Essa remoção de data reforça a tese de que a alegação de imunidade presidencial contra processos criminais adiará o julgamento enquanto ainda estiver pendente de algum tipo de apelação.

yt thumbnail

Ainda de acordo com o Post, um adiamento no caso de Washington torna cada vez mais provável que o primeiro dos quatro julgamentos criminais de Trump seja realizado no final de março em Manhattan, onde o ex-presidente enfrenta acusações estaduais de tentar silenciar uma atriz pornô durante a eleição de 2016.

Esse julgamento está marcado oficialmente para 25 de março, mas o tribunal indicou que ao caso federal de subversão eleitoral de Trump teria "prioridade". O juiz da Suprema Corte de Nova York, Juan Merchan, agendou uma audiência prévia ao julgamento em duas semanas - em 15 de fevereiro - e espera-se que decida depois disso se o julgamento prosseguirá conforme planejado.

Trump também enfrenta acusações federais de manuseio inadequado e retenção de documentos ultrassecretos após deixar a Casa Branca e obstrução aos esforços do governo para recuperá-los de sua casa em Mar-a-Lago, e na Geórgia, por um caso estadual de obstrução eleitoral.

Mais de Mundo

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Novas regras entram em vigor para obtenção da cidadania portuguesa

Mais de 110 pessoas são sequestradas por supostos jihadistas no Mali

Julgamento de Donald Trump entra em fase decisiva

Mais na Exame