Crise de alimentos: Putin diz que ajudará na exportação de grãos e fertilizantes

Presidente russo falou por telefone com o presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, em meio à preocupação global sobre oferta de alimentos
Putin: possibilidade de escassez global de alimentos com guerra na Ucrânia preocupa autoridades (AFP/AFP)
Putin: possibilidade de escassez global de alimentos com guerra na Ucrânia preocupa autoridades (AFP/AFP)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 28/05/2022 12:38 | Última atualização em 28/05/2022 12:38Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou neste sábado que deseja viabilizar a exportação de grãos ucranianos, principalmente por via marítima. Em conversa telefônica neste sábado com o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão, Olaf Scholz, Putin também defendeu a possibilidade de aumento da oferta russa de fertilizantes e produtos agrícolas.

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.

Segundo nota do governo alemão, Putin também prometeu que a abertura do cinturão de minas colocado para proteger os portos ucranianos para permitir a exportação de grãos por meio de navios não seria usado pela Rússia para ações ofensivas.

"A Rússia está pronta para ajudar a encontrar opções para a exportação de grãos sem impedimentos, incluindo a exportação de grãos ucranianos dos portos do Mar Negro", informou o Kremlin, em nota, após o telefonema.

VEJA TAMBÉM: Brasil aposta em fertilizantes naturais para reduzir dependência russa

"Um aumento na oferta de fertilizantes e produtos agrícolas russos também ajudará a reduzir as tensões no mercado global de alimentos, o que, é claro, exigirá o levantamento das restrições de sanções relevantes", acrescentou a nota.

Ainda de acordo com o governo alemão, durante a ligação, Scholz e Macron pediram o armistício imediato e a retirada das tropas russas. Também solicitaram ao presidente russo que se engaje em sérias negociações diretas com o presidente da Ucrânia e encontre uma solução diplomática para o conflito.