Mundo

Coreia do Sul mobiliza caças após detectar 180 aviões de guerra do Norte

A Coreia do Norte lançou esta semana um número recorde de mísseis, incluindo uma tentativa frustrada de míssil intercontinental na quinta-feira

Horas depois, Coreia do Norte executou 80 disparos de artilharia em uma "zona de amortecimento" marítima (AFP/Reprodução)

Horas depois, Coreia do Norte executou 80 disparos de artilharia em uma "zona de amortecimento" marítima (AFP/Reprodução)

A

AFP

Publicado em 4 de novembro de 2022 às 07h51.

As Forças Armadas da Coreia do Sul mobilizaram caças de combate "furtivos" depois de detectar a presença de 180 aviões de guerra norte-coreanos, no momento em que Seul participa em grandes manobras militares conjuntas com os Estados Unidos.

As Forças Armadas sul-coreanas "enviaram 80 aviões de combate, incluindo o F-35A furtivo", enquanto os jatos que participaram nas manobras militares esta semana "permanecem à disposição", afirmou o Estado-Maior Conjunto.

LEIA TAMBÉM: EUA garante rastreabilidade de equipamentos militares fornecidos à Ucrânia

A Coreia do Norte lançou esta semana um número recorde de mísseis, incluindo uma tentativa frustrada de míssil intercontinental na quinta-feira.

Em resposta aos disparos do regime comunista, Seul e Washington prolongaram até sábado as manobras conjuntas, os maiores exercícios militares já realizados pelos dois países.

"Nossas forças militares detectaram quase 180 aviões de guerra norte-coreanos" mobilizados no espaço aéreo de Pyongang, informou o Estado-Maior conjunto sul-coreano, que decidiu enviar os caças.

- "Escolha equivocada e perigosa" -

Pouco depois do anúncio na quinta-feira da decisão de prorrogar as manobras militares entre Estados Unidos e Coreia do Sul, o regime de Pyongyang lançou três mísseis balísticos de curto alcance e afirmou que a ampliação dos exercícios era uma "escolha equivocada e muito perigosa".

Horas depois, Coreia do Norte executou 80 disparos de artilharia em uma "zona de amortecimento" marítima.

Os disparos foram uma "clara violação" do acordo de 2018 que estabeleceu esta zona de fronteira fora das hostilidades entre os países, afirmou o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul.

Os tiros de artilharia aconteceram depois que a Coreia do Norte lançou, entre quarta-feira e quinta-feira, quase 30 mísseis, incluindo um que caiu perto das águas territoriais da Coreia do Sul, um fato sem precedentes desde o fim da guerra da Coreia em 1953.

O presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol afirmou que o lançamento representou uma "invasão territorial de fato".

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, afirmou que o disparo do míssil intercontinental era "ilegal e desestabilizador".

Os lançamentos da Coreia do Norte acontecem no momento em que a Coreia do Sul está em um período de luto nacional após a morte de mais de 150 pessoas em um tumulto durante uma festa no sábado passado em Seul.

As "provocações" de Pyongyang, "em particular durante nosso luto nacional, são atos contra a humanidade e contra o senso humanitário", afirmou nesta sexta-feira Lee Hyo-jung, porta-voz do ministério da Unificação.

- Protesto contra exercício militar -

Analistas afirmam que Pyongyang intensificou os testes e lançamentos de projéteis em protesto pelas manobras militares de Seul e Washington, que alertam que o regime de Kim Jong Un está preparando o sétimo teste nuclear da história do país.

O atual exercício aéreo "Tempestade Vigilante" é uma "manobra militar agressiva contra a República Popular Democrática da Coreia", afirmou o regime norte-coreano, que ameaça Seul e Washington a "pagar o preço mais horrível da história".

Além de prorrogar a operação até sábado, o exército sul-coreano anunciou para a próxima semana o exercício Taegeuk, uma manobra anual para "melhorar o desempenho da transição em tempo de guerra".

Este exercício de simulação por computador pretende reforçar "a capacidade de realizar missões práticas em preparação para várias ameaças, como as armas nucleares, os mísseis e as recentes provocações da Coreia do Norte", destacou o exército.

LEIA TAMBÉM: 

Acompanhe tudo sobre:Coreia do NorteCoreia do SulEstados Unidos (EUA)GuerrasMísseis

Mais de Mundo

EUA realiza primeiro exercício militar na Península Coreana desde 2017

Putin diz que poderia fornecer armas para atacar alvos no Ocidente

Homem morre no México após contrair gripe aviária "inédita" em humanos

Dia D faz 80 anos: entenda a data que mudou o rumo da Segunda Guerra Mundial

Mais na Exame