Mundo

Companhias aéreas preveem recorde de quase 5 bilhões de passageiros em 2024

Essa é a primeira vez, desde a pandemia, que o setor alcança esse valor de faturamento

 (Luiz Souza/NurPhoto/Getty Images)

(Luiz Souza/NurPhoto/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 3 de junho de 2024 às 12h16.

As companhias aéreas esperam transportar quase 5 bilhões de pessoas em todo o mundo este ano, superando o recorde de 2019, antes da pandemia de covid-19, anunciou a sua principal organização profissional nesta segunda-feira, 3.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), reunida em assembleia geral em Dubai, também prevê que as empresas devem gerar um lucro líquido global de 30,5 bilhões de dólares (R$ 159,8 bilhões) em 2024 e um faturamento sem precedentes de 996 bilhões de dólares (R$ 5,2 trilhões).

Estes resultados representam "um grande sucesso dadas as graves perdas recentes devido à pandemia", afirmou o diretor-geral da Iata, Willie Walsh, perante os delegados da sua organização, que reúne 320 companhias aéreas que representam 83% do tráfego mundial.

Os 4,96 bilhões de passageiros esperados para este ano ultrapassariam o recorde de 4,54 bilhões de 2019.

A crise sanitária causou enormes prejuízos no setor do transporte aéreo, estimados pela Iata em 183 bilhões de dólares (R$ 959,1 bilhões na cotação atual) entre 2020 e 2022.

"A recuperação pós-covid foi notável", disse à AFP Vik Krishnan, especialista do setor aéreo da consultoria McKinsey.

No entanto, há "contrastes entre diferentes regiões", explica. "As linhas domésticas nos Estados Unidos funcionam muito bem, como na China", o que não é o caso na França e na Alemanha.

A Iata calcula que em 2023 as companhias aéreas obtiveram um lucro de 27,4 bilhões de dólares (R$ 143,6 bilhões na cotação atual).

Custos em aumento

Willie Walsh anunciou uma rentabilidade relativamente baixa para o seu setor, de 3% até 2024.
"Com apenas US$ 6,14 (R$ 32,17) por passageiro, nossos lucros não são tão altos, apenas o suficiente para um café em certas partes do mundo", acrescentou Walsh.

Os custos das companhias aéreas devem atingir um recorde este ano de US$ 936 bilhões (R$ 4,9 trilhões), segundo a Iata.

Uma das principais causas é a conta de combustível, estimada em 291 bilhões de dólares (R$ 1,5 trilhão), equivalente a 31% dos custos operacionais, com base num barril de querosene a 113,8 dólares (R$ 596,4).

"É muito importante que consigamos manter uma rentabilidade duradoura. Isso permitirá às empresas investir plenamente nos produtos desejados pelos nossos clientes, e nos meios para obter a neutralidade do carbono em 2050", acrescentou.

O transporte aéreo emite atualmente menos de 3% do CO2 mundial, mas é apontado como um problema já que apenas uma minoria da população mundial utiliza este modo de deslocamento.

Para alcançar a neutralidade de carbono até 2050, a Iata está comprometida com o uso de 65% de combustíveis de aviação sustentáveis (SAF, do inglês "sustainable aviation fuels"), com a otimização das operações aéreas e terrestres e com iniciativas de compensação de carbono.

No entanto, apesar da triplicação da produção de SAF prevista para este ano face a 2023, estes representarão apenas 0,53% do consumo global de combustível no setor do transporte aéreo comercial, indica a Iata.

 

Acompanhe tudo sobre:Aviação

Mais de Mundo

União Europeia repreende sete países por desrespeito às regras financeiras do bloco

Argentina faz acordo com El Salvador para ter modelo de segurança acusado de violar direitos humanos

Acordo entre Rússia e Coreia do Norte prevê assistência mútua em caso de 'agressão', afirma Putin

Suécia faz acordo de defesa com EUA que possibilitará envio de armas nucleares

Mais na Exame