Mundo

Como Clinton e Obama podem ajudar Biden na campanha?

Ex-presidentes foram chamados para auxiliar o democrata na disputa contra Donald Trump

Obama, Clinton e Biden: os três participaram de um evento público em 28 de março (AFP)

Obama, Clinton e Biden: os três participaram de um evento público em 28 de março (AFP)

Rafael Balago
Rafael Balago

Repórter de macroeconomia

Publicado em 6 de abril de 2024 às 06h02.

Última atualização em 6 de abril de 2024 às 08h44.

O presidente Joe Biden chamou os ex-presidentes democratas Bill Clinton e Barack Obama para ajudar em sua campanha de reeleição. A expectativa é que os dois, que governaram o país por oito anos cada um, possam atrair eleitores de segmentos hoje resistentes ao candidato democrata.

Os três participaram de um evento público em 28 de março, em Nova York, para arrecadar recursos de campanha para o candidato democrata.

LEIA MAIS: Como as eleições nos EUA podem afetar os investimentos? Podcast explica

"Para a campanha de Biden, Obama e Clinton chegam em eleitores que Biden não chega. Obama ainda é o que mais mobilizou o eleitorado afro-americano. Em 2008 e 2012, houve recordes de presença desse grupo eleitoral, que é muito importante. Em toda eleição, de cada 10 afro-americanos, 9 votam em democratas e um vota em republicanos", analisa Mauricio Moura, professor da Universidade George Washington, no podcast O Caminho para a Casa Branca. Assista abaixo:

yt thumbnail

Bill Clinton

Clinton, hoje com 77 anos, é lembrado por ter tido bons resultados em estados onde Biden enfrenta problemas.

"Clinton foi o último democrata a ganhar em lugares que hoje são muito trumpistas, como estados do Sul e regiões altamente não-escolarizadas, e toda a sua campanha foi basicamente para este grupo. Ele falava 'eu sinto a sua dor na economia'", lembrou Mauricio. Clinton foi presidente por dois mandatos, de 1993 ao início de 2021.

Tanto Obama, 62, que governou de 2009 a 2017, quanto Clinton, 77, têm razões pessoais para quererem derrotar Donald Trump, atual rival de Biden.

O republicano derrotou Hillary Clinton, mulher de Bill, na disputa presidencial de 2016, e ganhou espaço na política ao criticar duramente Obama e espalhar teorias conspiratórias sobre ele, como a de que ele teria uma certidão de nascimento falsa.

Para a disputa deste ano, as pesquisas mostram empate entre Trump e Biden, mas com o republicnao ligeiramente à frente. Um levantamento recente do Wall Street Journal mostrou o bilionário à frente de Biden em seis dos sete estados que prometem ser os mais competitivos na disputa deste ano.

Acompanhe tudo sobre:Eleições EUA 2024Donald TrumpJoe BidenBarack ObamaExame-Gauss

Mais de Mundo

Guerra nas estrelas? EUA ampliam investimentos para conter ameaças em órbita

Reguladores e setor bancário dos EUA devem focar em riscos essenciais, diz diretora do Fed

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Mais na Exame