Mundo

Biden dá 'ultimato' a Netanyahu para proteger civis e trabalhadores

Segundo especialistas, o presidente norte-americano pode ter chegado ao seu limite no que diz respeito ao apoio a Israel

Joe Biden: presidente dá ultimato a Netanyahu sobre cuidados durante a guerra contra o Hamas (Mark Makela/Getty Images)

Joe Biden: presidente dá ultimato a Netanyahu sobre cuidados durante a guerra contra o Hamas (Mark Makela/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 5 de abril de 2024 às 07h02.

No último dia 4, o presidente norte-americano Joe Biden deu um ultimato ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu: proteja civis palestinos e trabalhadores humanitários estrangeiros em Gaza ou Washington poderá restringir seu apoio aos israelenses na guerra contra militantes do Hamas. A mensagem se deu após um ataque das tropas de Netanyahu que matou sete trabalhadores da  Cozinha Central Mundial (World Central Kitchen).

Embora a Casa Branca não tenha especificado que tipo de ação espera de Israel, analistas afirmam que a ameaça implícita é a de desaceleração da transferência de armas ao país ou a de mudança de seu apoio nas Nações Unidas. De acordo com Dennis Ross, diplomata veterano dos Estados Unidos e hoje membro do Instituto de Washington para Política do Oriente Próximo: "O presidente, na realidade, está dizendo para suprir essas necessidades humanitárias ou ele não terá escolha senão condicionar a assistência militar."

Biden tem encontrado dificuldade no equilíbrio da pressão dos democratas progressistas para restringir o apoio a Netanyahu e o risco de alienar eleitores pró-Israel. Por enquanto, ele resistiu à imposição de condições nas transferências de armas.

A guerra na região começou no dia 7 de outubro, quando um ataque do Hamas a Israel matou mais de mil pessoas, segundo registros israelenses. Consequentemente, foi iniciada uma invasão das tropas de Netanyahu que desalojou a maior parte de 2,3 milhões de pessoas. De acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, mais de 33 mil palestinos perderam suas vidas, entre os quais a maioria eram mulheres e crianças.

Ao que tudo indica, Joe Biden pode ter chegado ao seu limite no que diz respeito à tolerância para com as agressões israelenses. "Sempre haveria um ponto no qual a administração Biden sentiria que o custo doméstico e internacional de apoiar a campanha de Israel em Gaza superaria o benefício do que  Israel conseguiria fazer", declarou Mike Singh, ex-oficial do Conselho Nacional de Segurança no Oriente Médio. "O que é notável não é que isso esteja acontecendo, mas que tenha demorado tanto."

Com informações da Reuters.

Acompanhe tudo sobre:IsraelConflito árabe-israelenseJoe BidenBenjamin Netanyahu

Mais de Mundo

“Davos in the Desert” arrives in Rio to search for opportunities between Brazil and Saudi Arabia

“Davos do deserto” chega ao Rio com foco nas oportunidades entre Brasil e Arábia Saudita

Eleições dos EUA terão semanas decisivas; entenda o que estará em jogo

Partido Conservador francês propõe aliança com extrema direita para eleições no Parlamento

Mais na Exame