Mundo

Com avanço da Rússia, Otan considera envio de instrutores militares à Ucrânia

Militar americano afirma que tema, ainda rejeitado pela Casa Branca, 'está sendo trabalhado'; países da aliança já sinalizaram apoio à iniciativa

Além das tropas, os EUA sofrem pressão da Ucrânia para que liberem ataques com armas americanas contra o território russo (Olivier Baube/AFP Photo)

Além das tropas, os EUA sofrem pressão da Ucrânia para que liberem ataques com armas americanas contra o território russo (Olivier Baube/AFP Photo)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 16 de maio de 2024 às 19h50.

Tudo sobreOtan
Saiba mais

Os países da Otan, a principal aliança militar do Ocidente, estão cada vez mais perto de enviar tropas para a Ucrânia, em missões de treinamento das forças locais, no momento em que Kiev se encontra em uma posição complicada na guerra, em meio a uma ofensiva russa no Leste e Nordeste, e com tropas cada vez mais envelhecidas, exaustas e escassas.

Segundo o New York Times, o general Charles Brown Jr, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas americanas, sinalizou que o envio de militares da aliança para treinamentos dentro da Ucrânia é algo “no qual está se trabalhando”, sem sinalizar se oficiais e soldados dos EUA estariam envolvidos na iniciativa.

Chefe da Otan anuncia acordo para enviar mais equipamentos de defesa antiaérea à Ucrânia

Desde o ano passado, o governo ucraniano tem reclamado junto a seus aliados ocidentais sobre o ritmo considerado lento de entrega de armamentos, algo que o próprio presidente Volodymyr Zelensky disse, nesta quinta-feira, ser responsável pelo avanço dos russos. E diante de um número cada vez mais escasso de recrutas, que levou à redução da idade mínima de convocação e à possibilidade de detentos combaterem, Kiev pediu ajuda da Otan para acelerar o treinamento de até 150 mil novos combatentes.

Treinamentos e avanços

Hoje, boa parte dos treinamentos específicos, ligados à operação de armas ocidentais, ocorre na Polônia, Alemanha e nos EUA, em processos caros e que demandam tempo, algo que os ucranianos parecem ter cada vez menos. E a ideia de levar os instrutores para dentro da Ucrânia não é exatamente nova: em fevereiro, o presidente da França, Emmanuel Macron, provocou polêmica ao dizer que o envio de militares da Otan para o território ucraniano “não deveria ser excluído" — a posição do líder francês foi apoiada pela Estônia e pela Lituânia, duas nações bálticas diretamente envolvidas na guerra.

Mas o próprio general Charles Brown Jr. citado pelo New York Times, afirma que essa é uma decisão difícil de ser tomada. A começar por questões práticas: a presença dos instrutores ocidentais em um cenário de guerra exigiria meios e estratégias para protegê-los, e poderia demandar recursos originalmente destinados aos ucranianos.

Há ainda o aspecto político: caso eles fossem feridos ou mortos em um ataque russo, haveria uma pressão para que fosse acionado o Artigo 5º do Tratado do Atlântico Norte, que considera o ataque contra um dos membros da aliança um ataque a todos, elevando o risco direto de uma guerra entre os países da organização e a Rússia. Em fevereiro, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que a intervenção ocidental na Ucrânia poderia levar a uma guerra nuclear e "destruir a civilização".

EUA rejeita a ideia

Até o momento, a Casa Branca rejeita firmemente a ideia, mesmo que sejam instrutores sem função no campo de batalha, de certa forma repetindo o que aconteceu no Iraque após o fim oficial dos combates envolvendo as forças americanas. O governo Biden também pede a seus aliados da Otan que não enviem forças ao país, em qualquer circunstância.

Além das tropas, os EUA sofrem pressão da Ucrânia para que liberem ataques com armas americanas contra o território russo. Kiev tem atingido alvos a até 1.000km de distância, usando drones e outros tipos de armamentos, mas a Casa Branca pede que seus mísseis de médio e longo alcance não sejam usados nessas ações, temendo uma represália russa. Segundo o site Politico, um grupo de parlamentares ucranianos está em Washington em busca de apoio do Congresso americano para obter essa concessão de Biden.

(Com The New York Times)

Acompanhe tudo sobre:OtanUcrâniaRússiaGuerras

Mais de Mundo

Uruguai cria residência especial para regularizar mais de 20 mil migrantes

Varíola dos Macacos: EUA emite alerta para versão mais mortal da doença

Defesa de Trump espera desferir golpe na credibilidade de seu ex-advogado nesta quinta

Primeiro-ministro da Eslováquia 'consegue falar', mas segue em estado grave após ser alvo de tiros

Mais na Exame