Mundo

Chefe da Otan anuncia acordo para enviar mais equipamentos de defesa antiaérea à Ucrânia

Recursos são exigidos por Zelensky para neutralizar os bombardeios russos que se intensificaram novamente nas últimas semanas

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante uma coletiva de imprensa no final de uma reunião virtual do Conselho Otan-Ucrânia na sede da Otan em Bruxelas (AFP)

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante uma coletiva de imprensa no final de uma reunião virtual do Conselho Otan-Ucrânia na sede da Otan em Bruxelas (AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 19 de abril de 2024 às 14h29.

Os países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) decidiram enviar mais equipamentos de defesa antiaérea para a Ucrânia, em guerra com a Rússia, anunciou nesta sexta-feira, 19, o secretário-geral da aliança militar transatlântica, Jens Stoltenberg.

"A Otan fez um inventário das capacidades existentes (...) e há sistemas que podem ser disponibilizados à Ucrânia. Portanto, espero anúncios de mais remessas em breve", disse Stoltenberg.

O alto responsável norueguês fez estas declarações no final de uma reunião por videoconferência do Conselho Otan-Ucrânia, da qual participou o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky.

Nessa reunião virtual, os ministros da Defesa dos países da aliança "concordaram em fornecer mais apoio militar, incluindo defesa antiaérea", que a Ucrânia exige insistentemente para neutralizar os bombardeios russos que se intensificaram novamente nas últimas semanas.

O chefe do governo alemão, Olaf Scholz, pediu recentemente aos países ocidentais para que transferissem sistemas de defesa antiaérea Patriot de fabricação americana para a Ucrânia.

"Saúdo os esforços da Alemanha, incluindo a recente decisão de entregar um sistema Patriot adicional à Ucrânia. Além do Patriot, há outras armas que os aliados [da Otan] podem fornecer, incluindo o SAM-T", disse Stoltenberg, em referência a sistemas de mísseis terra-ar.

Acrescentou que os países da Otan que não têm "sistemas disponíveis comprometeram-se a fornecer apoio financeiro para os comprá-los para a Ucrânia".

Segundo o chefe da aliança, cada país membro da Otan "decidirá com que o que contribuirá. Mas os ministros reconheceram a urgência e prometeram apoio adicional em um futuro próximo".

"O que posso dizer é que a ajuda está a caminho", reforçou. Zelensky disse na videoconferência que a Ucrânia "não pode esperar" e que precisa de "sete sistemas Patriot adicionais" ou equipamento equivalente, informou a Presidência ucraniana.

"É evidente que, embora a Rússia tenha uma vantagem aérea e possa contar com os seus drones e foguetes, as nossas capacidades no terreno são infelizmente limitadas", acrescentou.

A Ucrânia pede desesperadamente um aumento da ajuda em equipamento militar desde o segundo semestre do ano passado e admite que está ficando sem capacidade operacional em termos de defesa antiaérea, depois de mais de dois anos de resistência à invasão russa, que começou em fevereiro de 2022.

Acompanhe tudo sobre:OtanUcrâniaGuerrasVolodymyr-ZelenskyRússia

Mais de Mundo

Guerra nas estrelas? EUA ampliam investimentos para conter ameaças em órbita

Reguladores e setor bancário dos EUA devem focar em riscos essenciais, diz diretora do Fed

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Mais na Exame