Acompanhe:

Recentemente, o Observatório Astronômico de Xangai da Academia de Ciências da China deu início à construção de um radiotelescópio com 40 metros de diâmetro na Montanha Changbai, na província de Jilin. Em meados de setembro, a aproximadamente 3.800 quilômetros de distância, na cidade de Shigatse, na região de Tibete, outro radiotelescópio de 40 metros do Observatório Astronômico de Xangai começou a ser construído.

Após a conclusão desses dois telescópios, haverá um avanço na configuração e na capacidade de observação da atual rede de Interferometria de Longa Linha de Base (VLBI) da China. Eles se juntarão aos telescópios localizados em Urumqi da província de Xinjiang, Kunming da província de Yunnan, e nas estações observacionais de Tianmashan e Sheshan, em Xangai, “observando” o espaço e contribuindo para o programa de exploração lunar do país.

Por que a exploração lunar necessita do suporte de telescópios?

Isso se deve à tecnologia VLBI. “A VLBI é uma técnica de medição de interferência de rádio que pode ser usada para obter imagens de rádio detalhadas e posições precisas de corpos celestes, bem como para realizar um rastreamento de alta precisão e localização de sondas espaciais profundas,” explicou Zheng Weimin, diretor do Laboratório de Ciência e Tecnologia de Radioastronomia do Observatório Astronômico de Xangai e pesquisador.

No espaço, é necessário determinar a distância e a direção de sondas espaciais profundas. As técnicas convencionais de medição de distância e velocidade só podem determinar a distância e a velocidade radial diretas do objeto alvo, enquanto a tecnologia VLBI pode medir a posição angular transversal do objeto alvo e processar conjuntamente sinais de observação de diferentes telescópios astronômicos. “Simplificando, isso é como combinar vários telescópios para formar um ‘telescópio virtual’ de grande abertura de ângulo,” disse Zheng Weimin. A maior abertura desse “telescópio virtual” é a maior distância entre os telescópios.

Essa é a razão pela qual há necessidade de construir telescópios em Shigatse e na Montanha Changbai. A maior distância entre as bases dos telescópios existentes na China é de aproximadamente 3200 quilômetros, de Xangai a Urumqi. Após a conclusão desses dois novos telescópios, a maior distância entre as bases dentro da China será de aproximadamente 3800 quilômetros, de Montanha Changbai a Shigatse, o que pode melhorar a resolução angular máxima em 18%.

Ao mesmo tempo, o radiotelescópio de 40 metros na Montanha Changbai está mais perto do lado leste do território chinês, sua posição longitudinal é 6,6 graus a leste em comparação com o telescópio de Tianmashan. Isso significa que ele pode capturar alvos no espaço profundo 26 minutos antes do telescópio de Tianmashan.

Do ponto de vista da aplicação prática, a inclusão desses dois novos telescópios permitirá que a China tenha capacidades de “rede gêmea, alvo duplo”. De acordo com Zheng Weimin, para determinar a posição angular exata da Lua e de sondas espaciais profundas, é necessário que pelo menos três telescópios trabalhem ao mesmo tempo. “Com a implementação contínua do projeto de exploração lunar, precisamos rastrear vários alvos em diferentes áreas do céu ao mesmo tempo. Com a adição dos dois telescópios, a China terá uma rede de observação VLBI de ‘seis estações e um centro’, que pode observar dois alvos em diferentes áreas do céu ao mesmo tempo, dobrando a eficiência da observação e servindo melhor o trabalho de rastreamento de VLBI das sondas lunares e de espaço profundo da China.”

Quanto à seleção do local, Gan Jianguo, presidente da sucursal de Changchun da Academia de Ciências da China, informou aos jornalistas que os pesquisadores consideraram vários fatores, como a configuração razoável da rede de observação para a missão de rastreamento da exploração lunar, a dificuldade de operação e construção dos telescópios, o ambiente de rádio, as condições climáticas, entre outros. Além disso, coordenaram questões complexas relacionadas à detecção de vulcões e terremotos na região de Montanha de Changbai, uso de terras florestais e isenções fiscais, após várias inspeções no local e análises cuidadosas, antes de finalmente decidirem construir o radiotelescópio no campo florestal de Ma’anshan da Montanha Changbai na província de Jilin .

O radiotelescópio de 40 metros na Montanha Changbai será um telescópio radioastronômico azimutal de superfície real, totalmente móvel, de alta precisão e multiuso. O sistema de antenas usará painéis de superfície real, com a precisão da forma de cada painel sendo melhor que 80 micrômetros; e usará tecnologia de isolamento térmico integral, com a estrutura de suporte do refletor principal envolvida em material isolante, garantindo que o telescópio funcione normalmente no frio extremo da região nordeste da China.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
O que ficar de olho durante a principal reunião política do ano na China
Mundo

O que ficar de olho durante a principal reunião política do ano na China

Há 21 horas

Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades
Mundo

Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades

Há um dia

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica
Economia

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica

Há 3 dias

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem
Mundo

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais