Acompanhe:

Chefe da ONU celebra esforços da Celac pela paz e pede esforços ao Haiti

Países governados pela direita enviaram representantes de menor escalão, como o Equador, representado por sua embaixadora em San Salvador

Modo escuro

Continua após a publicidade
Guterres participou da cúpula da Celac, que reuniu Luiz Inácio Lula da Silva, Gustavo Petro, Nicolás Maduro e Miguel Díaz-Canel (Ricardo Stuckert/Flickr)

Guterres participou da cúpula da Celac, que reuniu Luiz Inácio Lula da Silva, Gustavo Petro, Nicolás Maduro e Miguel Díaz-Canel (Ricardo Stuckert/Flickr)

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, elogiou o "compromisso de buscar soluções pacíficas" da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) nesta sexta-feira, 1º, mencionando as tensões entre Venezuela e Guiana, as negociações na Colômbia e pedindo maiores esforços para o Haiti.

Guterres participou da cúpula da Celac, que reuniu presidentes de esquerda como Luiz Inácio Lula da Silva, o colombiano Gustavo Petro, o venezuelano Nicolás Maduro e o cubano Miguel Díaz-Canel em São Vicente e Granadinas.

Países governados pela direita enviaram representantes de menor escalão, como o Equador, representado por sua embaixadora em San Salvador.

A "América Latina e o Caribe demonstraram que a união pela paz é possível e faz a diferença", disse Guterres em seu discurso na plenária. "O processo de paz na Colômbia deu passos significativos, com a inestimável contribuição dos países da Celac", continuou, referindo-se à política de paz total de Petro, que negocia com grupos armados.

Disputa por Essequibo

O chefe da ONU também destacou "a declaração conjunta para o diálogo e paz entre Guiana e Venezuela", que estão em conflito pela soberania do território de Essequibo, rico em petróleo, e que despertou, em dezembro de 2023, o temor regional de um conflito armado.

Guterres alertou sobre a violência no Equador e no Haiti, onde "a situação, já grave, piora a cada dia".

"As facções mantêm o país sequestrado e usam a violência sexual como arma. Ao mesmo tempo, o Plano de Resposta Humanitária da ONU para o Haiti precisa de um forte apoio financeiro", declarou ele.

Em sua chegada a Kingstown, na quinta-feira, 29, Guterres insistiu na importância de alcançar uma "solução política" no Haiti.

O responsável pediu um fortalecimento dos esforços contra as mudanças climáticas e a fome na região, além de alertar contra o crescimento do "autoritarismo e extremismo".

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Lula e Petro discutem plebiscito como solução democrática para a Venezuela
Mundo

Lula e Petro discutem plebiscito como solução democrática para a Venezuela

Há 3 horas

Lula reafirma que Brasil é contra sanções a Venezuela, dizem interlocutores do governo brasileiro
Brasil

Lula reafirma que Brasil é contra sanções a Venezuela, dizem interlocutores do governo brasileiro

Há 13 horas

EUA retoma sanções contra a Venezuela após candidatos da oposição serem barrados das eleições
Mundo

EUA retoma sanções contra a Venezuela após candidatos da oposição serem barrados das eleições

Há 15 horas

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos; veja o que muda
Economia

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos; veja o que muda

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais