Mundo

Capriles desafia Maduro a debate antes da eleição

O candidato opositor fez a proposta depois que Maduro afirmou que aceitaria debater se Capriles pedisse desculpas à família de Hugo Chávez


	Henrique Capriles(E) e Nicolás Maduro: "se alguma palavra minha ofendeu o presidente vai minha desculpa pública", respondeu nesta quinta-feira Capriles (AFP)

Henrique Capriles(E) e Nicolás Maduro: "se alguma palavra minha ofendeu o presidente vai minha desculpa pública", respondeu nesta quinta-feira Capriles (AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de março de 2013 às 12h17.

Caracas - O candidato opositor venezuelano, Henrique Capriles Radonski, desafiou nesta quinta-feira o presidente interino e candidato oficialista, Nicolás Maduro, a participar em um debate antes das eleições presidenciais de 14 de abril.

"O país quer que debatamos. Coloco hoje a Nicolás na mesa (...). Temos um mês. Vamos debater Nicolás e Capriles", declarou em uma entrevista a uma rádio local.

"Vamos debater a insegurança, a economia, a energia elétrica, a água, emprego, expropriações", completou o candidato opositor.

Capriles fez a proposta depois que Maduro afirmou, na quarta-feira, que aceitaria debater com o líder opositor se este pedisse desculpas à família de Hugo Chávez por ter questionado se o presidente morreu quando foi anunciado.

"Se alguma palavra minha ofendeu o presidente vai minha desculpa pública", respondeu nesta quinta-feira Capriles.

Capriles, governador de Miranda (norte), perdeu a última eleição presidencial, em outubro, para Chávez, ao fim de uma campanha sem debates entre os candidatos.

Durante a campanha, Capriles desafiou várias vezes Chávez a debater, mas o falecido presidente sempre descartou a possibilidade.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaEleiçõesHenrique CaprilesNicolás MaduroPolíticosVenezuela

Mais de Mundo

Qual seria o impacto do programa econômico de Donald Trump nos EUA?

Brasil não tem nenhuma cidade no ranking das melhores do mundo; veja lista

Em Pequim, Amorim assina proposta com a China sobre guerra na Ucrânia

Coreia do Sul, China e Japão farão primeiro encontro desde 2019

Mais na Exame