Acompanhe:

Candidato assassinado no Equador já havia sofrido atentado em setembro

O político se apresentava aos eleitores como um combatente à corrupção sob o slogan 'É hora dos corajosos'

Modo escuro

Continua após a publicidade
Villavicencio, que aparecia em quinto lugar nas pesquisas entre os candidatos à sucessão de Guillermo Lasso, apresentava-se aos eleitores como um combatente à corrupção. (Rodrigo BUENDIA / AFP/Getty Images)

Villavicencio, que aparecia em quinto lugar nas pesquisas entre os candidatos à sucessão de Guillermo Lasso, apresentava-se aos eleitores como um combatente à corrupção. (Rodrigo BUENDIA / AFP/Getty Images)

O jornalista e candidato presidencial equatoriano Fernando Villavicencio, de 59 anos, foi assassinado na noite desta quarta-feira durante um comício eleitoral na capital Quito. Villavicencio, que aparecia em quinto lugar nas pesquisas entre os candidatos à sucessão de Guillermo Lasso, apresentava-se aos eleitores como um combatente à corrupção sob o slogan "É hora dos corajosos".

Ele foi o primeiro a anunciar este ano sua intenção de participar como candidato presidencial nas eleições do próximo dia 20 de agosto. Em maio, sua chapa com a ambientalista Andrea González foi anunciada pelo partido Movimento Construye.

Uma de suas principais propostas de governo foi a aplicação do Plano Nacional Antiterrorista, que começou identificando as estruturas mais perigosas que operam no Equador: narcotráfico, mineração ilegal, corrupção e propina, ligadas entre si e à política de combate a elas.

Esta, contudo, não foi a primeira vez que o candidato foi atacado. Na madrugada do dia 3 de setembro de 2022, Villavicencio foi vítima de um atentado, quando balas atingiram sua casa. Sua esposa foi quem ouviu os disparos e pediu ajuda à polícia de Quito.

Homem chora após o ataque que matou o candidato à presidência do Equador em Quito. (STR/Getty Images)

— Villavicencio era um jornalista e político muito polêmico, conhecido pelos seus trabalhos de jornalismo de investigação. Denunciou diversos casos de corrupção durante o governo de Rafael Correa e, nos últimos tempos, realizou diversas denúncias contra políticos e grupos do crime organizado que atuam no país — explica Maria Villarreal, professora de Ciência Política na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

Para Villarreal, o candidato tinha muitos inimigos. Embora tenha aparecido em 5º lugar em uma pesquisa feita pelo jornal El Universo na semana passada, já havia aparecido em segundo e em quarto lugar "e tinha chances de ganhar as eleições em um possível segundo turno, mesmo não sendo o favorito", segundo a professora.

Villavicencio já vinha sendo ameaçado por diversos membros do crime organizado, em especial o grupo "Los Choneros". A professora de Ciência Política alerta, porém para a instrumentalização da tragédia para a política equatoriana. De acordo com Villarreal, a suspensão das eleições, marcadas para daqui 20 dias, e a implementação de um estado de exceção seria do interesse de atores antidemocráticos do país.

— Trata-se a todas luzes de uma morte com intencionalidade política, que beneficia aqueles candidatos que pregam o modelo Bukele [presidente de El Salvador] — afirma.

Quem é Fernando Villavicencio

Natural de Sevilha, no cantão (estado) de Alausí, Villavicencio viveu uma vida pobre em Quito, para onde foi com a família aos 13 anos. Mais velho de seis irmãos, ele disse em entrevista ao El Universo que trabalhava durante o dia como garçom e estudava à noite.

Villavivencio se definia como um apaixonado por literatura, chegando a ler 17 livros sobre a história de Simón Bolívar para participar de um concurso de oratório interescolar.

Deputado na Assembleia Nacional, presidiu a Comissão de Supervisão da Assembleia entre 2021 e 2023. Na legislatura, ele teve vários confrontos com grupos de oposição e com o governo. Denunciou o caso chamado León de Troya, investigação ligada à máfia albanesa com o cunhado do presidente Guillermo Lasso, Danilo Carrera.

Apesar disso, durante seu período como presidente da Comissão de Auditoria da Assembleia foi questionado por vários partidos políticos que o acusaram de ser um "defensor" do atual governo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
União Brasil pode adiar definição de novo presidente; entenda disputa no partido
Brasil

União Brasil pode adiar definição de novo presidente; entenda disputa no partido

Há 8 horas

EUA: Justiça nega pedido de Trump para suspender julgamento que o força a pagar US$ 355 mi
Mundo

EUA: Justiça nega pedido de Trump para suspender julgamento que o força a pagar US$ 355 mi

Há 16 horas

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator
Brasil

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator

Há um dia

Irã celebra eleições legislativas com os conservadores como favoritos
Mundo

Irã celebra eleições legislativas com os conservadores como favoritos

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais