Mundo

Biden pede desculpas a Zelensky por atraso no envio de armas

Biden e Macron renovaram o apoio para a Ucrânia; presidente ucraniano pediu mais apoio da coalizão para combater russos

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 7 de junho de 2024 às 11h07.

O presidente dos EUA, Joe Biden, pediu desculpas publicamente na sexta-feira (7) à Ucrânia pelo atraso de meses no envio de assistência militar americana, que permitiu à Rússia fazer avanços no campo de batalha. As informações são da AP. O pedido de desculpas ocorreu durante uma reunião em Paris, na França, com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, que apelou por apoio bipartidário dos EUA no futuro "como foi durante a Segunda Guerra Mundial".

"Peço desculpas por essas semanas de incerteza quanto ao financiamento", disse Biden, referindo-se ao bloqueio de seis meses por parte dos republicanos conservadores no Congresso ao pacote de ajuda militar de R$ 305 bilhões (aproximadamente US$ 61 bilhões) para a Ucrânia. No entanto, o presidente democrata insistiu que o povo americano está ao lado da Ucrânia a longo prazo. "Estamos comprometidos. Completamente. Totalmente", afirmou.

O pedido de desculpas e o apelo de Zelenskyy por um apoio sólido como a coalizão aliada na Segunda Guerra Mundial serviram como um lembrete de que, apesar das declarações de Biden sobre um compromisso inabalável dos EUA com a Ucrânia, a resistência entre os republicanos no Congresso e uma tendência isolacionista na política americana expuseram sua fragilidade. E, embora não mencionado, a candidatura de Donald Trump pairava sobre a discussão, pois o ex-presidente republicano e candidato presumível falou positivamente do presidente russo Vladimir Putin, gerando preocupações na Ucrânia de que ele exigiria que o país cedesse território para encerrar o conflito.

Zelenskyy pressionou para que todos os americanos apoiassem a defesa de seu país contra a invasão russa e agradeceu aos legisladores por eventualmente aprovarem o pacote de armas, que permitiu à Ucrânia conter os avanços russos nas últimas semanas. "É muito importante que, nesta unidade, os Estados Unidos da América, todo o povo americano, permaneça com a Ucrânia como foi durante a Segunda Guerra Mundial", disse Zelenskyy. "Como os Estados Unidos ajudaram a salvar vidas humanas, a salvar a Europa. E contamos com seu apoio contínuo para permanecer ao nosso lado."

Os Estados Unidos são de longe o maior fornecedor de apoio em tempos de guerra para Kyiv, e a Ucrânia está tentando resistir a uma ofensiva russa intensa nas áreas orientais do país. A ofensiva está focada nas regiões fronteiriças ucranianas de Kharkiv e Donetsk, mas autoridades ucranianas dizem que pode se espalhar à medida que o exército maior da Rússia busca tirar vantagem.

Mais dinheiro para a Ucrânia

Os EUA enviarão cerca de R$ 1,1 bilhão (aproximadamente US$ 225 milhões) em ajuda militar à Ucrânia, anunciou Biden na sexta-feira. O pacote inclui munições para o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade, ou HIMARS, bem como sistemas de morteiros e uma variedade de munições de artilharia, disseram autoridades americanas na quinta-feira.

Biden apresentou a ajuda adicional em sua reunião com Zelenskyy como dinheiro para "reconstruir a rede elétrica" na Ucrânia, uma referência que, segundo assessores, dizia respeito a sistemas adicionais de defesa aérea e defesa antimísseis no novo pacote. Abrandando sua postura em meio ao mais recente ataque da Rússia e com o exército da Ucrânia cambaleando, alguns aliados da OTAN, incluindo os EUA, disseram na semana passada que permitiriam à Ucrânia usar armas entregues a Kyiv para realizar ataques limitados dentro da Rússia. Essa medida provocou uma resposta furiosa do Kremlin, que alertou que o maior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial poderia sair de controle.

A Ucrânia retrata sua luta contra as forças do Kremlin como um confronto entre a liberdade democrática ocidental e a tirania russa. A Rússia diz que está se defendendo contra uma expansão ameaçadora da aliança militar da OTAN. Em um discurso de 20 minutos na sexta-feira na Assembleia Nacional, a câmara baixa do parlamento francês, Zelenskyy traçou um paralelo com os sacrifícios feitos durante a Segunda Guerra Mundial e a luta atual de seu país.

O presidente francês Emmanuel Macron, por sua vez, anunciou na noite de quinta-feira que a França fornecerá à Ucrânia suas aeronaves de combate Mirage. Macron tem sido um defensor vocal da Ucrânia. Ele disse em fevereiro que colocar tropas ocidentais no solo na Ucrânia não está "descartado".

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)RússiaUcrâniaFrançaGuerras

Mais de Mundo

Gastos em armas nucleares foram de US$ 91 bilhões em 2023 com aumento de tensões geopolíticas

Líderes da União Europeia se reúnem para falar dos principais cargos do bloco

Putin viaja à Coreia do Norte para encontro com Kim Jong-un

Países Baixos ampliam para mais oito cidades o teste de consumo legal de maconha

Mais na Exame