Mundo

Biden diz que EUA e aliados 'derrotaram' ataque do Irã contra Israel

Presidente norte-americano também declarou que o país está empenhando em um cessar-fogo no conflito da Faixa de Gaza

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos (Eros Hoagland/Getty Images)

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos (Eros Hoagland/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 15 de abril de 2024 às 15h35.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira, 15, que o país e aliados "derrotaram" o ataque do Irã contra Israel no último sábado. Em declarações a repórteres no Salão Oval da Casa Branca, o democrata reforçou o compromisso norte-americano com a segurança dos israelenses.

Os comentários foram feitos em meio à reunião com o primeiro-ministro iraquiano, Mohammed Shia' Al Sudani. Biden reiterou a importância das relações entre os EUA e o Iraque para o Oriente Médio e o mundo.

O presidente norte-americano também disse que o país está empenhando em um cessar-fogo no conflito da Faixa de Gaza que assegure a libertação dos reféns israelenses e evite a generalização da guerra na região.

Presença no Iraque

O forte aumento dos receios com segurança levantou novas questões sobre a viabilidade da presença militar norte-americana de duas décadas no Iraque, por onde voaram ou foram lançadas partes do ataque de sábado com drones e mísseis do Irã a Israel. Uma bateria Patriot dos EUA em Erbil, no Iraque, derrubou pelo menos um míssil balístico iraniano, segundo autoridades norte-americanas.

Além disso, representantes iranianos iniciaram ataques contra os interesses dos EUA em toda a região a partir do interior do Iraque, tornando a reunião de segunda-feira entre Biden e Mohammed Shia' Al Sudani ainda mais crítica.

As conversas de Biden com o primeiro ministro do Iraque devem incluir uma discussão sobre a estabilidade regional e o futuro envio de tropas dos EUA, mas também se concentrarão em questões econômicas, comerciais e energéticas que se tornaram uma grande prioridade para o governo do Iraque, segundo autoridades norte-americanas.

Os EUA e o Iraque iniciaram conversações formais em janeiro sobre o fim da coligação criada para ajudar o governo iraquiano a combater o Estado Islâmico, com cerca de 2 mil soldados norte-americanos permanecendo no país ao abrigo de um acordo com Bagdá. As autoridades iraquianas têm apelado periodicamente pela retirada dessas forças.

Al Sudani tentou manter um equilíbrio entre o Irã e os EUA, apesar de ser visto como próximo de Teerã e dos vários incidentes que colocaram o seu governo numa posição embaraçosa em relação a Washington.

Turquia

O primeiro-ministro iraquiano ainda regressará ao Iraque e se reunirá com o presidente turco após a sua viagem a Washington, o que poderá finalmente levar a uma solução para uma disputa de longa data sobre as exportações de petróleo das áreas curdas do Iraque para a Turquia.

Washington tem procurado retomar o fluxo de petróleo.

Acompanhe tudo sobre:Joe BidenEstados Unidos (EUA)IrãIsraelConflito árabe-israelenseGuerras

Mais de Mundo

Argentina deve entregar alimentos a cozinhas comunitárias, ordena Justiça do país

Quais as cidades mais baratas do mundo para morar?

Biden piora mau humor com imprensa e diz 'rezar' por jornalistas

Julgamento de Trump em NY entra na reta final nesta terça-feira

Mais na Exame