Biden diz levar inflação "muito a sério" e que reduzi-la é prioridade

O democrata atribuiu a persistência do movimento aos efeitos da pandemia e à guerra decorrente da invasão russa na Ucrânia
 (Drew Angerer / Equipe/Getty Images)
(Drew Angerer / Equipe/Getty Images)
E
Estadão Conteudo

Publicado em 10/05/2022 às 16:37.

Última atualização em 10/05/2022 às 16:56.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, garantiu que leva a recente escalada inflacionária no país "muito a sério" e definiu o controle dos preços como "principal prioridade" de sua gestão na Casa Branca. "Sei que famílias em toda a América estão sofrendo por causa da inflação", disse o presidente em discurso nesta terça-feira, dia 10.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O democrata atribuiu a persistência do movimento aos efeitos da pandemia e à guerra decorrente da invasão russa na Ucrânia. Segundo ele, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) exerce "papel primário" no combate à inflação e tem independência para estabelecer a política monetária.

"Embora eu nunca vá interferir no Fed, eles são independentes, eu acredito que a inflação é nosso principal desafio econômico neste momento e acho que eles também acreditam", comentou, acrescentando que concorda com a declaração do presidente do Fed Jerome Powell, de que a inflação ameaça o vigor da maior economia do planeta.

Biden acrescentou que algumas raízes da inflação estão fora do controle das autoridades domésticas e que o mundo inteiro enfrenta situação semelhante.

LEIA TAMBÉM: Musk diz que vai reverter banimento de Donald Trump do Twitter

China

Joe Biden informou que o governo estuda suspender as tarifas à China adotadas no âmbito da guerra comercial empreendida pela gestão anterior da Casa Branca. "Ainda não tomamos uma decisão", ressaltou, em pronunciamento nesta tarde.

O democrata voltou a exortar o Congresso a implementar sua agenda econômica, que visa reduzir o déficit fiscal em US$ 1,5 trilhão neste ano, de acordo com ele. Um dos objetivos seria obrigar grandes empresas a pagarem a parcela justa de impostos, comentou Biden.

O presidente americano teceu duras críticas à proposta econômica da oposição republicana. "O plano deles é aumentar impostos para 75 milhões de famílias americanas", acusou. Biden pontuou ainda que está trabalhando para ajudar os países europeus a reduzir a dependência de fontes energia da Rússia, como resposta a guerra empreendida pelo Kremlin na Ucrânia.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Coreia do Norte decreta lockdown sem explicações

Caso Pegasus: entenda o caso de espionagem que ameaça o governo da Espanha