Mundo

Avó britânica é 1ª no mundo a receber vacina aprovada contra covid-19

O Reino Unido começou nesta terça-feira (8) o programa de vacinação em massa contra a covid-19

Margaret Keenan, 90, se tornou a primeira pessoa no mundo a receber a vacina da Pfizer/BioNtech contra covid-19 fora de um ensaio clínico (Jacob King/Pool/Reuters)

Margaret Keenan, 90, se tornou a primeira pessoa no mundo a receber a vacina da Pfizer/BioNtech contra covid-19 fora de um ensaio clínico (Jacob King/Pool/Reuters)

BG

Bibiana Guaraldi

Publicado em 8 de dezembro de 2020 às 08h36.

Última atualização em 8 de dezembro de 2020 às 11h32.

Margaret Keenan, uma avó de 90 anos da Irlanda do Norte, se tornou a primeira pessoa no mundo a receber a vacina da Pfizer/BioNtech contra covid-19 fora de um ensaio clínico nesta terça-feira (8), quando o Reino Unido começou a vacinar sua população, informa a Reuters.

Madrugadora, Keenan recebeu a vacina em um hospital em Coventry, centro da Inglaterra, na manhã desta terça-feira às 06h31, horário local, uma semana antes de completar 91 anos.

Um vídeo mostrou Keenan sendo empurrada em uma cadeira de rodas para fora da enfermaria enquanto a equipe de enfermagem vestida com equipamentos de proteção alinhava-se no corredor para aplaudir, imagem semelhante a cenas recorrentes durante este ano, quando sobreviventes do covid-19 deixam o hospital e são homenageados pela equipe médica.

O Reino Unido é o primeiro país ocidental a começar a imunizar sua população, no que foi considerado um divisor de águas decisivo na derrota do coronavírus.

“Eu me sinto tão privilegiada por ser a primeira pessoa vacinada contra covid-19”, disse Keenan, ao ter a vacina aplicada pela enfermeira May Parsons, originária das Filipinas, na presença de um fotógrafo e uma equipe de TV.

“É o melhor presente de aniversário antecipado que eu poderia desejar, porque significa que poderei finalmente passar um tempo com minha família e amigos no Ano Novo, depois de ter passado sozinha a maior parte do ano.”

Keenan, conhecida como Maggie por seus amigos, é uma ex-assistente de joalheria que se aposentou há apenas quatro anos. Ela tem uma filha, um filho e quatro netos.

O Reino Unido é o país europeu mais atingido pela covid-19, com mais de 61.000 mortes. O primeiro-ministro Boris Johnson se manifestou em rede social: “Obrigado ao nosso NHS, a todos os cientistas que trabalharam tanto para desenvolver esta vacina, a todos os voluntários - e a todos que têm seguido as regras para proteger os outros”, disse Johnson no Twitter. “Vamos vencer isso juntos.”

A vacinação em massa alimenta a esperança de que o mundo possa estar virando o jogo na luta contra uma pandemia que destruiu economias e matou mais de 1,5 milhão, embora o armazenamento e a logística complicada limitem seu uso por enquanto.

O secretário de saúde britânico Matt Hancock e Stephen Powis, diretor médico do NHS England, sistema de saúde pública do Reino Unido, afirmaram que ambos acharam muito emocionante assistir ao lançamento do programa de vacinas.

De acordo com a BBC, o segundo paciente a receber a injeção no Reino Unido foi um homem chamado William Shakespeare, de Warwickshire.

O Reino Unido encomendou 40 milhões de doses da injeção Pfizer/BioNTech. Como cada pessoa precisa de duas doses, é suficiente para vacinar 20 milhões de pessoas no país de 67 milhões.

Espera-se que cerca de 800.000 doses estejam disponíveis na primeira semana, com prioridade para residentes e cuidadores de lares, pessoas com mais de 80 anos e alguns trabalhadores dos serviços de saúde.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoençasEXAME-no-InstagramReino UnidoSaúdeTodos contra o coronavírusvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Mundo

Ataque a Trump: "Ainda é cedo para dizer se atirador agiu sozinho", dizem autoridades

Trump se pronuncia após ser atingido na cabeça em comício na Pensilvânia

Biden se pronuncia sobre tiroteio no comício de Trump: "Estou grato em saber que ele está bem"

'Atentado contra Trump deve ser repudiado', diz Lula sobre tiros durante comício

Mais na Exame