Mundo

Começo do fim? Reino Unido começa a vacinar população contra covid-19

Idosos acima de 80 anos e funcionários da área da saúde terão prioridade na vacinação. A imunização em massa deverá ocorrer no país em 2021.

Uma mulher caminha pelo centro de Manchester, Reino Unido, em 7 de dezembro de 2020 (Christopher Furlong/Getty Images)

Uma mulher caminha pelo centro de Manchester, Reino Unido, em 7 de dezembro de 2020 (Christopher Furlong/Getty Images)

Ligia Tuon

Ligia Tuon

Publicado em 8 de dezembro de 2020 às 06h00.

Última atualização em 8 de dezembro de 2020 às 08h55.

O Reino Unido começa nesta terça-feira, 8, a vacinar sua população contra a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O país foi o primeiro a aprovar a vacina da Pfzer/BioNtech, conforme anúncio feito na quarta-feira passada.

Margaret Keenan, uma avó de 90 anos da Irlanda do Norte, se tornou a primeira pessoa no mundo a receber a vacina da Pfzer/BioNtech contra covid-19 fora de um ensaio clínico na manhã desta terça-feira (8).

Idosos acima de 80 anos e funcionários da área da saúde terão prioridade. Desta forma, a imunização em massa deverá ocorrer no país em 2021.

O Reino Unido comprou 40 milhões de doses da vacina, o suficiente para vacinar 20 milhões de pessoas, já que cada uma tem de tomar duas doses.

O Reino Unido enfrentou os maiores níveis de contágio e de mortalidade da Europa durante a primeira onda da pandemia. Com centenas de milhares de casos confirmados, o país registra 60.000 mortes relacionadas à doença.

Resistentes

Nesta segunda-feira, o jornal britânico The Independent publicou uma pesquisa que revela resistência de boa parte da população em relação à vacina da Pfizer.

Mais de um terço dos britânicos diz que não pretende participar do plano. A principal preocupação das pessoas é que ela não será segura (48%), não será eficaz (47%) ou poderá ter efeitos colaterais (55%).

A eficácia do imunizante Pfizer/BioNTech é de 95%, de acordo com cientistas. O antídoto seguiu meses de testes clínicos rigorosos e segurança, qualidade e eficácia comprovados, reitera a autoridade do setor de saúde britânica.

Em novembro, a Comissão Europeia anunciou a compra de 600 milhões de doses de vacina de diversos laboratórios e aguarda apresentação do plano de vacinação dos países do bloco.

Enquanto isso, no Brasil...

Apesar de ter divulgado recentemente um cronograma de vacinação - que irá privilegiar idosos com 75 anos ou mais, trabalhadores da área de saúde e indígenas -, o Ministério da Saúde pretende começar a vacinar a população em março.

A pasta, porém, ainda não comprou nenhuma vacina. Para que o processo avance, algum imunizante precisa ser aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). 

Enquanto isso, o governador de São Paulo, João Doria, anunciou nesta segunda-feira que a imunização no estado começa no dia 25 de janeiro e que qualquer cidadão brasileiro poderá participar.

A aposta de Doria é a CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. A vacina ainda está na terceira fase de teste e precisa passar pelo aval da Anvisa.

Acompanhe tudo sobre:Exame HojeReino Unidovacina contra coronavírus

Mais de Mundo

Ataque a Trump: "Ainda é cedo para dizer se atirador agiu sozinho", dizem autoridades

Trump se pronuncia após ser atingido na cabeça em comício na Pensilvânia

Biden se pronuncia sobre tiroteio no comício de Trump: "Estou grato em saber que ele está bem"

'Atentado contra Trump deve ser repudiado', diz Lula sobre tiros durante comício

Mais na Exame