Mundo

Ataques em ponte que liga Rússia à Crimeia causam explosões e mortes

Ataque forçou o fechamento temporário do principal caminho usado pelos militares russos para abastecer seus soldados no sul da Ucrânia

A ponte se tornou símbolo da vitória russa na anexação da Crimeia quatro anos atrás.  (Pavel Rebrov/Reuters)

A ponte se tornou símbolo da vitória russa na anexação da Crimeia quatro anos atrás. (Pavel Rebrov/Reuters)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 17 de julho de 2023 às 10h03.

A Rússia acusou a Ucrânia de um ataque nas primeiras horas desta segunda-feira, 17, contra a ponte que liga a Península da Crimeia, ocupada desde 2014, ao resto do território russo. Duas pessoas morreram e parte da construção de 19,2 km sobre o Estreito de Querche teria colapsado, forçando o fechamento temporário do principal caminho usado pelos militares russos para abastecer seus soldados no sul da Ucrânia.

Os russos culparam os ucranianos pelas explosões, mas Kiev não assumiu abertamente a autoria do ataque. Segundo Kiev, que começou uma contraofensiva para retomar territórios ocupados no mês passado, a estrutura é um alvo legítimo pelo seu papel logístico vital para os esforços de guerra russos.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

Sergei Aksinov, governante pró-Rússia da Crimeia, disse que a ponte foi fechada devido a uma "emergência", enquanto Vladimir Rogov, autoridade russa no sul da Ucrânia, disse no Telegram ter havido duas explosões. Já Viacheslav Gladkov, governador da região de Belgorod, fronteiriça com a Ucrânia, disse que um homem e uma mulher morreram devido às explosões, e sua filha de 14 anos está internada.

Construída a um custo equivalente a US$ 3,7 bilhões e inaugurada pessoalmente por Putin em 2018, a superestrutura tem na realidade duas pontes paralelas - uma com quatro pistas para carros e outra para uma ferrovia dupla - e é a construção mais longa do tipo na Europa.

Quando foi erguida, a ponte se tornou símbolo da vitória russa na anexação da Crimeia quatro anos antes, após a queda do governo pró-Moscou em Kiev. A Península, sede da Frota russa do Mar Negro, havia sido cedida à Kiev nos anos 1950, durante o período soviético.

A extensão real dos danos não foi esclarecida pelas autoridades russas, mas horas após a explosão os serviços ferroviários foram retomados e o Kremlin diz que em breve as rodovias também voltarão a funcionar.

Uma situação similar ocorreu em outubro do ano passado, quando um trecho da ponte foi derrubado após a explosão do que os russos afirmaram ser um caminhão-bomba, paralisando o tráfego por algumas horas. A rodovia foi completamente reaberta em fevereiro e a ferrovia, em maio.

Vídeos compartilhados pelo site Mash, próximo à polícia russa, mostram que uma parte da ponte colapsou e outra começou a afundar nas águas do Estreito. Os investigadores afirmam terem encontrado vestígios de jet skis perto da área e afirmam que os ucranianos usaram drones explosivos submarinos para realizar seu ataque. No Telegram, circulam imagens de um carro destruído e do céu tomado pela fumaça antes do amanhecer.

Os ucranianos não negam nem confirmam. Mikhailo Podoliak, conselheiro do presidente da Ucrânia, disse no Twitter que "qualquer estrutura ilegal usada para a entrega de instrumentos russos de assassinato em massa terá vida necessariamente curta (...) independentemente dos motivos para a destruição".

O porta-voz do departamento de inteligência militar da Ucrânia, Andri Yusov, recusou-se a comentar especificamente sobre o incidente. Ele destacou que "a península é usada pelos russos como um grande centro logístico para mover forças e ativos para o interior do território da Ucrânia. Claro, quaisquer problemas logísticos são complicações adicionais para os ocupantes".

A ponte, com extensão de 19 quilômetros, já havia sofrido danos anteriormente, quando um caminhão-bomba a atingiu, demandando meses de reparos para retomar o serviço completo. A estrutura é uma importante via de abastecimento para a guerra em curso da Rússia na Ucrânia, transportando tanto tráfego rodoviário quanto ferroviário.

Acompanhe tudo sobre:RússiaCrimeia

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame