Mundo

Arábia Saudita diz que celebração do fim do ramadã começará na quarta-feira

A data do Aid al Fitr, fim do ramadã, é determinada segundo a observação da lua crescente, de acordo com o calendário lunar muçulmano. A imprensa indicou que a lua crescente não está visível nesta segunda-feira

Arábia Saudita: o fim do ramadã começa na quarta-feira (Abdel Ghani BASHIR/AFP)

Arábia Saudita: o fim do ramadã começa na quarta-feira (Abdel Ghani BASHIR/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 8 de abril de 2024 às 17h15.

Última atualização em 8 de abril de 2024 às 17h29.

Tudo sobreArábia Saudita
Saiba mais

A Arábia Saudita, que abriga os locais mais sagrados do islã, anunciou nesta segunda-feira, 8, que a celebração do Aid al Fitr, que marca o fim do ramadã, começará na quarta-feira, 10. 

"A Suprema Corte declarou amanhã o último dia do #ramadã e quarta-feira o primeiro dia do #Aid al Fitr", observou a agência de notícias saudita em sua conta na rede X.

A data do Aid al Fitr é determinada segundo a observação da lua crescente, de acordo com o calendário lunar muçulmano. A imprensa indicou que a lua crescente não está visível nesta segunda-feira.

Os Emirados Árabes Unidos e o Catar também anunciaram que o Aid al Fitr, uma festividade familiar, começará na quarta-feira.

Ramadã

O mês de jejum do ramadã é um dos pilares do islã.

Os muçulmanos se abstêm de comer e beber do amanhecer até o anoitecer e, tradicionalmente, celebram com a família depois para quebrar o jejum.

O ramadã também é um momento para orar e os fiéis vão às mesquitas, principalmente à noite.

O jejum é amplamente praticado na Arábia Saudita, onde estão localizadas a Grande Mesquita de Meca e a Mesquita do Profeta em Medina.

A expectativa é que os sauditas celebrem o Aid al Fitr durante quatro dias.

Acompanhe tudo sobre:Arábia SauditaCatarIslamismo

Mais de Mundo

Vaticano alerta contra episódios imaginários relacionados a milagres e aparições

Governo Biden quer reclassificar maconha como droga de menor risco

TikTok banido, protestos e repressão militar: o que está acontecendo na Nova Caledônia?

Como a província chinesa de Fujian resolveu problemas de produção escassa de alimentos

Mais na Exame