Mundo

Aliado dos EUA, Japão é acusado de xenofobia por Biden

Declaração ocorreu semanas após democrata elogiar aliança entre Washington e Tóquio; presidente argumentou que a economia seria melhor se países 'abraçassem a imigração'

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 2 de maio de 2024 às 18h11.

Última atualização em 2 de maio de 2024 às 18h19.

Tudo sobreEstados Unidos (EUA)
Saiba mais

O presidente americano, Joe Biden, chamou a China e a Rússia, rivais dos Estados Unidos, e a Índia e o Japão, seus aliados, de países “xenofóbicos”. A fala foi feita nesta quarta-feira durante um evento para angariação de fundos em Washington, D.C. – e ocorreu apenas algumas semanas após o democrata ter elogiado a aliança EUA-Japão. Biden buscava argumentar que os países mencionados teriam melhor desempenho econômico se “abraçassem mais” a imigração.

"Uma das razões pelas quais nossa economia está crescendo é por causa de vocês e de muitos outros, porque damos boas-vindas aos imigrantes", declarou Biden a uma audiência de maioria asiático-americana. "Por que a China está estagnada economicamente? Por que o Japão tem problemas? E a Rússia e Índia? Porque são xenofóbicos. Eles não querem imigrantes. Os imigrantes são o que nos tornam fortes. Não é uma piada. Temos um influxo de trabalhadores que querem estar aqui e contribuir."

Conforme publicado pela CNN, o líder americano já havia retratado o Japão, a Rússia e a China como “xenófobos” numa entrevista em março. Na ocasião, ele afirmou que essas nações não querem ter pessoas de fora em seus países. Desde que assumiu a Presidência, contudo, Biden tem buscado fortalecer os laços com seus aliados asiáticos, especialmente com Nova Délhi e Tóquio, parceiro de longa data de Washington e fundamental para contrabalancear a China na região.

Em abril, a Casa Branca recebeu o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, e os líderes celebraram o que Biden chamou de uma “aliança indestrutível”. Já o premiê indiano, Narendra Modi, foi recebido em Washington no ano passado. Na época, o encontro foi visto como uma oportunidade de fortalecimento de laços com a nação mais populosa do mundo – e pontos de atrito, como as violações de direitos humanos, foram evitados. Biden afirmou que suas relações iriam “definir o século”.

As falas de Biden não receberam reação imediata dos governos japonês ou indiano. Nesta quinta-feira, o porta-voz de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, disse que o democrata fez um panorama “mais amplo” sobre a postura americana em relação à imigração. Ele pontuou que os aliados e parceiros “sabem bem como o presidente Biden valoriza sua amizade, cooperação e as capacidades que eles trazem em toda a gama de questões, não apenas relacionadas à segurança”.

Embora muitos especialistas possam concordar com a declaração do líder americano, “não é algo diplomático a se dizer sobre um dos aliados mais próximos dos Estados Unidos, especialmente porque o país tem seus próprios problemas com xenofobia”, avaliou Jeffrey Hall, professor de estudos japoneses na Universidade de Estudos Internacionais de Kanda, à rede americana NBC. Para ele, a fala foi “desnecessária” e pode ser interpretada como um “rebaixamento” dos japoneses.

"Isso não é uma maneira realmente eficaz de fazer o Japão resolver vários problemas de sua sociedade, que até mesmo os japoneses concordariam que são problemas", pontuou.

O Japão reconheceu que enfrenta dificuldades com sua população em declínio, e o número de bebês nascidos no país em 2023 caiu pelo oitavo ano consecutivo. Kishida, o premiê japonês, classificou a baixa taxa de natalidade como “a maior crise que o Japão enfrenta”. O país sempre foi conhecido por ter uma posição mais fechada em relação à imigração, ainda que nos últimos anos algumas políticas tenham sido modificadas para estimular o fluxo de trabalhadores estrangeiros.

Para manter o crescimento econômico, o país precisará de 6,74 milhões de imigrantes até 2040, segundo a NBC, que citou dados da Agência de Cooperação Internacional do Japão. O país ficou em 35º lugar entre 56 países no Índice de Política de Integração de Migrantes de 2020, que caracterizou a abordagem japonesa como “imigração sem integração”. Pesquisadores afirmam que direitos a oportunidades iguais e contra a discriminação eram negados a estrangeiros no país.

A população da Índia, por sua vez, aumentou para se tornar a maior do mundo: segundo as Nações Unidas, o país está a caminho de abrigar mais de 1,4 bilhão de pessoas. No início deste ano, Nova Délhi promulgou uma nova lei de cidadania que acelera a naturalização para hindus, parses, siques, budistas, jainistas e cristãos que fugiram para o país vindos do Afeganistão, Bangladesh e Paquistão. A determinação, porém, exclui os muçulmanos, que são maioria nos três países.

Acompanhe tudo sobre:Joe BidenEstados Unidos (EUA)Eleições EUA 2024

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame