Mundo

Aeroporto de Hamburgo, na Alemanha, é fechado após invasão de homem; criança é mantida refém

Voos foram cancelados até que o caso seja resolvido, depois mais de 10h de negociações

Aeroporto de Hamburgo, na Alemanha (Martin Ziemer/Getty Images)

Aeroporto de Hamburgo, na Alemanha (Martin Ziemer/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 5 de novembro de 2023 às 11h06.

O Aeroporto de Hamburgo, no norte da Alemanha, está fechado desde a noite de sábado, 4, quando um homem entrou com um automóvel no portão de embarque das aeronaves e estacionou o carro perto de um avião. Voos foram cancelados até que o caso, ainda em andamento após mais de 10 horas de negociações, seja resolvido.

A polícia alemã afirma que o homem, de 35 anos, leva a filha de 4 anos no veículo, possivelmente após tê-la raptado em uma disputa de guarda com a mãe. Informações preliminares afirmam que a intenção do homem, residente da região do Estado alemão da Baixa Saxônia, era levar a filha para a Turquia, de onde ele é originalmente. Por isso, as negociações com o homem têm sido em turco, afirmam os policiais.

Um psicólogo está no local negociando com o invasor há horas, sem sucesso. A invasão aconteceu às 20h30 do horário da Alemanha.

As autoridades alemãs afirmam também que o homem está armado e pode estar com explosivos de um tipo desconhecido, disseram. “Nossa prioridade máxima é proteger a criança. De acordo com nosso conhecimento, a criança está fisicamente bem”, declarou a polícia.

Os passageiros das aeronaves próximas ao incidente foram evacuados e levados para um hotel, onde devem esperar mais informações. Todos os voos deste domingo foram cancelados ou remanejados, bem como estradas de acesso ao local foram interditadas.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaTerrorismo

Mais de Mundo

Putin ganha cães de Kim Jong Un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ozempic e Wegovy "acabam" com canetas de insulina na África do Sul; entenda

Investimento estrangeiro cai 10% no Brasil em 2023, aponta relatório da ONU

Nicolás Maduro assina documento para respeitar resultados das eleições na Venezuela

Mais na Exame