Mundo

Termina sequestro de menina, refém do pai, no aeroporto de Hamburgo

Sequestro começou no sábado e foi motivado por uma disputa do suspeito com a ex-esposa pela guarda da criança

Aeroporto de Hamburgo, na Alemanha (Martin Ziemer/Getty Images)

Aeroporto de Hamburgo, na Alemanha (Martin Ziemer/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 5 de novembro de 2023 às 13h04.

A polícia da Alemanha anunciou neste domingo, 5, o fim do sequestro de uma menina de 4 anos, que havia sido retida por seu pai em um veículo na pista do aeroporto de Hamburgo, após deter "sem resistência" o homem.

"A situação de refém terminou, o homem saiu do carro com sua filha e foi preso sem resistência pela polícia", informou a polícia local na rede X (ex-Twitter), acrescentando que a menina "parece estar em bom estado de saúde".

O sequestro, relacionado a uma disputa por sua guarda com a mãe da criança, começou no sábado à noite por volta das 20h00 locais (16h00 no horário de Brasília).

O pai, de 35 anos, tentava viajar para a Turquia com sua filha, e manteve-a por cerca de 18 horas em um carro, estacionado ao pé de uma aeronave da companhia aérea Turkish Airlines.

De nacionalidade turca, segundo o jornal Bild, o homem havia dirigido até a pista do aeroporto, disparando duas vezes para o ar e lançando dois coquetéis molotov, segundo a polícia.

As autoridades mobilizaram psicólogos e equipes de negociação para o local, além de unidades de intervenção.

As forças alemãs realizaram longas negociações em turco durante toda a noite, e parte do domingo, para convencer o homem a se entregar.

O tráfego no aeroporto de Hamburgo foi suspenso no sábado à noite, obrigando ao desvio de 17 voos.

Outros 286 voos estavam programados para este domingo, com aproximadamente 34.500 passageiros.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaSequestrosCrime

Mais de Mundo

Putin diz que Coreia do Norte 'apoia firmemente' sua operação na Ucrânia

Joe Biden simplifica regularização de ao menos 500 mil migrantes

Quem é Jordan Bardella, o líder da extrema-direita que desafia Macron?

Corrida nuclear: EUA concentram 80% dos gastos, e China tem arsenal 'pronto para uso' pela 1ª vez

Mais na Exame