Mundo

Acapulco luta para se recuperar após passagem do furacão Otis

Com quase 780.000 habitantes, esse popular balneário do estado de Guerrero (sul) registra 39 mortos e está devastado por esse furacão, que chegou na madrugada de quarta-feira como categoria 5, a mais alta na escala Saffir-Simpson

View of the damage caused after the passage of Hurricane Otis in Acapulco, Guerrero State, Mexico, on October 25, 2023. Mexican authorities rushed to send emergency aid, restore communications and assess damage in the Pacific beach resort of Acapulco on Wednesday after a powerful hurricane left a trail of destruction. President Andres Manuel Lopez Obrador personally joined an official convoy heading for the seaside city by road, despite reports of landslides and other debris blocking the way. (Photo by FRANCISCO ROBLES / AFP) (FRANCISCO ROBLES/AFP)

View of the damage caused after the passage of Hurricane Otis in Acapulco, Guerrero State, Mexico, on October 25, 2023. Mexican authorities rushed to send emergency aid, restore communications and assess damage in the Pacific beach resort of Acapulco on Wednesday after a powerful hurricane left a trail of destruction. President Andres Manuel Lopez Obrador personally joined an official convoy heading for the seaside city by road, despite reports of landslides and other debris blocking the way. (Photo by FRANCISCO ROBLES / AFP) (FRANCISCO ROBLES/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 29 de outubro de 2023 às 14h43.

"Dona Mago", uma mulher de 55 anos, acordou com vontade de lutar, apesar das catastróficas circunstâncias. Cansada de esperar a ajuda do governo após a passagem do poderoso furacão Otis pelo porto mexicano de Acapulco, animou seus vizinhos a limpar as casas e retirar os escombros.

Com quase 780.000 habitantes, esse popular balneário do estado de Guerrero (sul) registra 39 mortos e está devastado por esse furacão, que chegou na madrugada de quarta-feira como categoria 5, a mais alta na escala Saffir-Simpson.

"Vamos lutar por nós", declara à AFP Margarita Carmona, conhecida em seu bairro como "Dona Mago", depois de cortar árvores caídas ao lado de seu genro e outros moradores.

“Quero voltar para casa como está. Demorei muito tempo para construir a minha casinha”, diz “Dona Mago”, enquanto observa os restos da casa que divide com a filha e os netos.

Por ali também está Julián Matadama, um trabalhador da construção civil, de 52 anos, que limpa a lama e os escombros ajudado por outros moradores, enquanto um grupo de mulheres retira o que restou dos telhados de chapa de suas casas.

Após o golpe do furacão, um sentimento de abandono consumia os moradores da área, que suplicavam pela ajuda governamental, que começou a ser distribuída no sábado.

"Precisamos de ajuda. Não queremos ver as feridas nos pés para não nos assustarmos e continuarmos saindo (em busca de comida) para as crianças", diz Matadama com um olhar angustiado enquanto carrega seu filho mais novo.

Por sua vez, um pescador lamenta ter que enfrentar a tragédia sozinho. “Não tem como você comer, não tem como você beber água”, afirma.

Sem turistas em Acapulco

Os restaurantes que, na terça-feira, ainda ofereciam frutos do mar e cervejas em Puerto Marqués estão em ruínas e vários barcos ainda estão perdidos ou viraram no mar. Não há eletricidade nem telefone e a comida e a água são escassas.

Omar Flores visita o pequeno restaurante familiar que funcionava perto da praia.

O lugar, milagrosamente, ainda está de pé, embora tenha perdido o telhado e a cozinha esteja devastada. As geladeiras sem energia elétrica contêm algumas garrafas de água e cerveja, que Omar protege para evitar que sejam roubadas após saques em supermercados.

Agora ele teme que demore meses para que os visitantes retornem ao porto. “Vai ser mais um duro golpe para todas as pessoas que trabalham na praia. Não vamos ter turistas. Como vamos fazer? Nada além de pensar quanto dinheiro se necessita para se levantar, de onde tirá-lo" pergunta-se.

Juana Flores, 68 anos, seca ao sol as roupas de primavera que vende aos turistas. Ela lamenta que Otis também tenha chegado antes da alta temporada de férias.

“Com a pouca mercadoria que sobrou vamos trabalhar, não tem outra opção. Não sabemos o que vai acontecer”, diz ela, resignada.

Acompanhe tudo sobre:MéxicoDesastres naturais

Mais de Mundo

  Papua-Nova Guiné afirma que mais de 2.000 pessoas foram sepultadas em deslizamento de terra

Ataque aéreo de Israel a Rafah após novo ataque do Hamas deixa ao menos 35 mortos

Doze pessoas ficam feridas por conta de turbulência durante voo da Qatar Airways

Tornados e tempestades deixam ao menos 14 mortos no sul dos EUA

Mais na Exame