Máscaras cairão: Ryanair mostra tamanho do buraco das aéreas

Se as coisas estão ruins para low cost irlandesa, uma das mais rentáveis do setor, a situação das concorrentes é ainda mais dramática

Maior companhia aérea low cost do mundo, a irlandesa Ryanair divulgou os resultados do segundo trimestre nesta segunda-feira. Para investidores e analistas da aviação civil, o balanço interessa sobretudo pelo impacto da covid-19 nos lucros.

A empresa perdeu 185 milhões de euros — um resultado desastroso para a empresa, uma das mais rentáveis do setor. Em abril, no auge da pandemia na Europa, a companhia reduziu os voos em 99% — os 2.500 diários viraram pouco menos de 20. Segundo a empresa, entre abril e junho do ano passado, seu lucro foi de 243 milhões de euros. As receitas, por seu turno, caíram 95% no período analisado.

Ainda assim, como tinha muito caixa antes da pandemia, a companhia até agora conseguiu manter as contas no azul mesmo com a turbulência forte que abateu as concorrentes. Em maio, no fim do ano fiscal de 2020, a Ryanair lucrou 1 bilhão de euros, quase 20% mais que no período anterior.

 

A empresa alertou investidores, no entanto, que os meses à frente seriam de “dificuldade”. A lógica de muita gente que acompanha o setor é o de que se as coisas estão ruins pra Ryanair, a situação das concorrentes é ainda mais dramática.

Há duas semanas, a americana Delta Airlines, outra queridinha dos investidores por causa dos sucessivos resultados positivos, anunciou um prejuízo de 5,7 bilhões de dólares, o maior desde 2008, quando ainda enfrentava os efeitos de uma recuperação judicial.

A turbulência na Delta foi causada, em boa medida, pelo tombo na Latam, companhia chileno-brasileira da qual possui 20% das ações. Com a recuperação judicial pedida pela Latam na justiça americana, em março, 1,1 bilhão de dólares da Delta investidos na Latam viraram pó.

A segunda-feira também deve ter o anúncio de resultados do segundo trimestre da Singapore Airlines, bastante prejudicada pela redução dos voos de longa duração a partir da cidade-Estado onde está seu hub operacional. Outra que revela números hoje é a Aeroflot, companhia nacional da Rússia, quarto país com mais casos de covid-19, atrás de Estados Unidos, Brasil e Índia.

Até uma vacina ou um tratamento eficaz contra a covid-19 ficarem prontos, e os passageiros terem algum tipo de confiança para voltar a viajar num avião, a turbulência nos balanços das companhias aéreas deve continuar.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE