Rafinha Bastos deve manter patrocinadores do Pânico na TV!

Saturday Night Live do humorista terá seis marcas anunciantes e empresas que patrocinavam o "Pânico" na Rede TV!, diz colunista
Rafinha Bastos: humorista deve ter patrocinadores do Pânico na TV! (Omar Paixão/Você S.A.)
Rafinha Bastos: humorista deve ter patrocinadores do Pânico na TV! (Omar Paixão/Você S.A.)
C
Cris SimonPublicado em 13/03/2012 às 15:16.

São Paulo - A estreia da quinta temporada do CQC ontem, na Band, trouxe junto a confirmação de que a nova atração da casa, o "Pânico na Band", estreará mesmo no dia 1º de abril, como diziam os rumores. Quem deu a notícia foi a própria Sabrina Sato, chamada ao palco pelo humorista Marcelo Tas.

Com 2h30min de duração nas noites de domingo, a trupe recém-saída da Rede TV! terá pelo menos dois dos patrocinadores da emissora anterior: Skol e Guaraná Antarctica, da Ambev. Riachuelo e P&G também assinaram contratos.

As bandeiras da Ambev, aliás, junto com outras quatro marcas, podem patrocinar também o novo programa de Rafinha Bastos - ex-CQC- na Rede TV!, segundo o colunista Lauro Jardim, de VEJA.com.

De acordo com Jardim, um dos donos da emissora, Marcelo Carvalho, teria garantido que a versão brasileira do humorístico americano Saturday Night Live manteria os patrocinadores de Pânico. Além da cerveja e do refrigerante, Jeans Sawary e Gladiator também estava associadas ao humorístico e podem entrar no roteiro de Rafinha Bastos.

Quem também investiu em um programa do gênero foi a Kaiser, da Cervejaria Heineken, em uma provável investida contra a Skol. A marca anunciou ontem que comprou a cota master de patrocínio ao CQC. Se for levado em conta o valor de tabela apresentado ao mercado, a cerveja desembolsou R$ 75 milhões para fechar o acordo.

A equipe liderada por Marcelo Tas, agora com novos integrantes e sem Rafinha e Danilo Gentili, vai ao ar ainda com o respaldo de Trident e Axe, que teriam pago R$ 46 milhões cada, Pepsi, com investimento de R$ 40 milhões, e Clube Social, Ponto Frio, Santander, Gillette (P&G), Head & Shoulders (P&G) e Transitions, com cotas de apoio de R$ 11,5 milhões cada.