Nike e Adidas; Netflix e Hulu: marcas rivais se unem contra o racismo

Em meio à onda de protestos contra a morte de George Floyd, nos Estados Unidos, empresas concorrentes se posicionam a favor dos manifestantes
Protesto pela morte de George Floyd: marcas enxergam a necessidade de se posicionar politicamente (John Sibley/Reuters)
Protesto pela morte de George Floyd: marcas enxergam a necessidade de se posicionar politicamente (John Sibley/Reuters)
R
Rodrigo Caetano

Publicado em 31/05/2020 às 11:01.

Última atualização em 31/05/2020 às 11:13.

“For once, don’t do it”. A frase (por uma vez, não faça), que inicia o vídeo postado pela Nike em suas redes sociais, na sexta-feira, dia 29, pede que as pessoas ignorem o seu famoso slogan, Just Do It (apenas faça). “Não finja que não há um problema. Não vire as costas para o racismo. Não aceite que vidas inocentes sejam tiradas de nós. Não pense que isso não te afeta”, continua o texto, apresentado em letras brancas sobre um fundo preto. 

O vídeo é um manifesto de apoio aos protestos pela morte do segurança negro George Floyd, assassinado por um policial branco na cidade de Minneapolis, Estado de Minnesota. Uma onda de manifestações, algumas violentas, tomou conta do país em virtude da brutalidade do caso, registrada em vídeo -- o policial se ajoelha por oito minutos no pescoço de Floyd, que afirma diversas vezes “não consigo respirar” e chama pela mãe. 

A Nike não ficou sozinha na campanha. Sua grande rival Adidas respondeu ao vídeo, no Twitter, pedindo união contra o racismo. “Juntos é como nós seguimos em frente. Juntos é como promovemos mudanças”, afirmou a marca alemã. As alianças improváveis não se limitaram ao setor de vestuário esportivo. Netflix e Hulu, rivais no mercado de streaming, também se uniram em uma declaração antirracista. “Ficar em silêncio é ser cúmplice. Vidas negras importam”, afirma texto publicado pela Netflix e curtido, com a adição de um coraçãozinho, pela Hulu. 

Em meio ao caos dos protestos e à polarização, as marcas sentem a necessidade de se posicionar. A fabricante de sorvetes Ben&Jerry’s, que pertence à Unilever, foi pioneira nesse tipo de marketing. Há quatro anos, quando outro assassinato de um negro por um policial branco provocou uma onda semelhante de protestos, a empresa apoiou publicamente o movimento antirracista Black Lives Matter. “O fato de essas palavras serem tão relevantes hoje quanto eram há quatro anos nos deixa comovidos”, afirmou a Ben&Jerry’s, no Instagram. “Os ataques racistas contra nossos irmãos e nossas irmãs negras têm de acabar”. 

Para a Nike, se posicionar politicamente em assuntos polêmicos também não é uma novidade. Em 2018, a empresa lançou uma campanha com o ex-jogador de futebol americano Colin Kapernick, quarterback que ficou famoso por ajoelhar durante a execução do hino nacional americano antes das partidas. Ele acabou perdendo espaço na NFL, a liga de futebol americano profissional, e não conseguiu retornar aos campos. 

Apesar do apoio recebido de boa parte dos clientes, a empresa também foi criticada. Uma das mais incisivas apontava para uma contradição: o time executivo da Nike é composto inteiramente por pessoas brancas, embora existam negros no conselho.