• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

McCain lança batata-frita que sobrevive ao delivery

Fabricante canadense de batatas pré-congeladas desenvolveu fórmula que promete crocância por mais tempo. Novidade integra plano de expansão para o Brasil
 (Divulgação/McCain)
(Divulgação/McCain)
Por Vanessa BarbosaPublicado em 03/08/2019 08:10 | Última atualização em 05/08/2019 10:12Tempo de Leitura: 4 min de leitura

São Paulo - A canadense McCain, líder mundial em produção e comercialização de batata pré-frita congelada, criou uma fórmula para tornar o produto mais resistente ao tempo de deslocamento dos cada vez mais populares "deliveries" de comida. A novidade foi compartilhada em primeira mão com o site EXAME.

O projeto começou a ser desenvolvido há dois anos, com foco nos principais mercados consumidores da marca, Estados Unidos e o Canadá. A linha “McCain Sure Crisp” estreou em maio no exterior, e está disponível para restaurantes a partir deste mês em todo o Brasil. Exclusivamente, em São Paulo, a McCain conta com uma parceria com o aplicativo Rappi em 40 estabelecimentos credenciados.

A ideia de desenvolver um produto capaz de sobreviver ao delivery surgiu de um problema óbvio: embora a adoração à batata-frita seja universal, pouca gente se arrisca a pedir o petisco para comer em casa dadas as condições em que ele chega em geral frio e murcho.

Atenta ao problema, a empresa patenteou uma fórmula que reveste os palitos de batata com uma camada protetora, criando uma casquinha, o que segundo a fabricante mantém a crocância após a fritura no restaurante por pelo menos 30 minutos. Em geral, uma batata-frita convencional perde a crocância em um terço desse tempo. Com isso, a empresa espera que mais pessoas peçam a batatinha na modalidade de entrega.

Uma pesquisa realizada pela McCain no Brasil aponta que 90% dos consumidores "gostam muito" de batata-frita. Mas quando questionados sobre "o quanto gostam de batata-frita no delivery”, esse número cai drasticamente para 24%. Sem surpresas, as fritas aparecem entre os três itens que mais “decepcionam” no delivery, ao lado de sobremesas (como sorvete e milk-shake) e carnes.

"Notamos que estávamos perdendo oportunidades aí. Nas grandes redes, quase 100% dos clientes pedem a batata-frita no combo do lanche. Nossa pesquisa mostrou que no delivery, em média, só 60% dos clientes pediam batatinha acompanhando do lanche, o que é baixo", diz ao site EXAME Victoria Gabrielli, diretora de marketing da McCain.

"Uma das tendências mais fortes do momento é a conveniência. As pessoas querem praticidade e rapidez, e consequentemente o delivery de comida pega carona. Mas o consumidor também não quer uma experiência ruim. Não é porque ele vai comer em casa que topa comer mal. A exigência desse consumidor também está crescendo”, acrescenta a executiva.

Segundo a McCain, a maior parte da fórmula da “Sure Crisp” é composta por ingredientes naturais, apenas alguns ingredientes são de origem sintética, como o estabilizante utilizado. O produto não tem nada de origem animal e não possui nem corantes ou aromas em sua formulação. Além disso, não contém glúten. A empresa não diz quanto investiu para desenvolver o produto.

Em um mercado de delivery de comida que cresce 30% mês a mês, soluções como a da McCain são imperativas, segundo Raphael Daolio, diretor de Brands Partnership da Rappi no Brasil. “O desafio da indústria hoje é garantir que o produto que complementa o lanche principal, seja a batata frita, a bebida ou um sorvete, mantenha a qualidade até a casa do cliente”, diz.

Expansão

O Brasil é o quinto mercado mais representativo em batata pré-frita congelada, com crescimento médio de 7,5% ao ano. A McCain abocanha 30% das vendas da categoria por aqui. Além do investimento em pesquisa e inovação (a empresa não revela quanto investiu para a produção da batata-frita "à prova de delivery"), foi preciso adaptar as linhas de produção para produzir a novidade, incluindo a da fábrica da empresa na Argentina, que fornece para o Brasil.

“Mesmo com as crises políticas e econômicas que o Brasil enfrenta, o mercado de batata-frita segue forte”, comenta Victoria. Por isso, desde 2018, a McCain tem reforçado sua estratégia de expansão por aqui. Em abril do ano passado, a empresa adquiriu 49% das ações da Forno de Minas, líder em pães de queijo no Brasil, e em maio deste ano comprou 70% das ações da Sérya, empresa brasileira de alimentos que atua no mercado de batata pré-formada.

Para reforçar sua capacidade produtiva e a atender à demanda crescente, a empresa aprovou um investimento de cerca de 100 milhões de dólares para inaugurar sua primeira fábrica no Brasil até 2021. A instalação será feita em Minas Gerais, maior estado produtor de batata do Brasil.