Acompanhe:

Onde investir em 2023: veja a visão dos gestores de fundos

Capitânia, Sparta, Trígono, Guepardo e Sulamérica apontam quais são suas recomendações para o ano

Gráficos de investimento no celular: ano deve ser de maior alocação em renda fixa por conta de juros e inflação alta (Getty Images/Reprodução)

Gráficos de investimento no celular: ano deve ser de maior alocação em renda fixa por conta de juros e inflação alta (Getty Images/Reprodução)

M
Marília Almeida

5 de janeiro de 2023, 06h00

2023 se inicia nebuloso tanto na economia nacional quanto na internacional. Esse cenário torna a decisão sobre onde aplicar o dinheiro nada trivial. Por isso, é importante se apoiar na visão de investidores profissionais, como os gestores de fundos, para saber quais aplicações são mais recomendadas para o ano.

Alguns desses gestores, de casas como Capitânia, Sparta, Trígono e Guepardo, participaram de um evento organizado pela Icatu e deram um pouco de sua visão para cada ativo no novo ano. Outras, como a asset da Sulamérica, deram perspectivas em evento próprio.

Quer começar a investir? Abra sua conta gratuitamente no BTG Pactual

Em comum, as indicações apontam para um protagonismo da renda fixa, já que o juro nominal e a inflação continuarão a ser relevantes neste ano. Na renda variável, o tom é de cautela, com aposta em empresas mais defensivas e que dependem menos de um cenário de juros baixos.

Veja abaixo as principais indicações:

Tesouro IPCA+

Para a asset da Sulamérica, os títulos Tesouro IPCA+ seguem atrativos. Os analistas do Santander continuam a recomendar o título com vencimento em 2035.

Se a economia nacional se provar favorável para ativos de risco, ante um menor ruído pós-eleição, com inflação convergindo à meta e promessas de responsabilidade fiscal, os analistas esperam ver um menor prêmio de risco para os títulos públicos reais, o que irá favorecer sua marcação a mercado.

Já caso a percepção de risco piore e o dólar volte a se valorizar a proteção contra a inflação do título recomendado exercerá sua função.

Debêntures, CRIs e CRAs

A Sparta acredita que a taxa de juros deve permanecer alta por mais tempo do que o inicialmente esperado pelo mercado. Isso favorece o investimento em crédito privado indexado ao DI, na visão de Ulisses Nehmi, gestor da casa.

A recomendação do gestor também vale para títulos indexados ao IPCA, que estão atrativos agora porque suas taxas embutidas estão elevadas, sem contar o spread pago, entre 1% e 2%. Para o gestor é importante que o investidor se proteja da inflação porque mais gastos previstos no novo governo podem gerar alta de preços.

Debêntures podem ter novo recorde em 22, mas falta clareza sobre perspectivas

Christopher David Smith, gestor da Capitânia, ressalta que o ambiente para investir em empresas, ainda que desafiador, é mais seguro do que o cenário em 2015, quando ocorreu uma crise de crédito. "Agora temos juros altos e balanços das empresas mais equilibrados. Pós-pandemia, as companhias aguardam o melhor momento para crescer e ganhar market share".

Fundos multimercado

Para a asset da Sulamérica, eles continuarão a ser coringas em 2023, pois podem capturar tanto o fechamento da taxa de juros quanto a exposição em ações e movimentos do câmbio.

Em 2022, fundos multimercado lideraram o ranking de renda variável e registraram o melhor retorno desde 2016.

Ações small caps

Na seara das small caps a Trígono prefere atualmente empresas que não estão no índice do segmento, que concentra empresas "da moda".

As três principais posições da gestora no segmento são:

  • Tupy (TUPY3): empresa industrial que tem como principal mercado os Estados Unidos, atua em diversos outros países, deve faturar R$ 15 bilhões em 2023
  • Ferbasa (FESA4), empresa que produz ferro-ligas com energia hidrelétrica limpa e tem R$ 1 bilhão em caixa;
  • Kepler Weber (KEPL3), uma produtora de silos e armazéns, ativos que o novo governo deve apoiar a produção como forma de ter um maior estoque de alimentos.

Ações de empresas defensivas

Em 2023 a Guepardo acredita que o mais importante é não tentar acertar no micro e no curto prazo. Por isso, a casa prefere comprar ações de empresas que transitam em qualquer cenário e são bem geridas. As principais apostas são:

  • Klabin (KLBN4), que tem 123 anos de vida e já passou por diversas crises no país
  • Vulcabras (VULC3), que tem caixa livre. Mesmo que os juros alto impacte o consumo no país a gestora acredita que está bem protegida, pois é maior do que Nike e Adidas no segmento de tênis esportivo, que vem sendo preferido pelos brasileiros.

O horizonte de investimento deve ser de pelo menos três anos. Antes disso será difícil domar o mercado, acredita Roberto Esteves, sócio da gestora.

Nova era na Petrobras (PETR4): o que esperar da estatal durante o governo Lula
Incerteza com novo governo desvalorizou investimentos. É hora de comprar?