Invest

O impacto da pandemia na relação entre o dinheiro e a saúde mental

Para Gustavo Cerbasi, os mais afetados na pandemia foram os que não souberam lidar com o senso de urgência que o cenário exigiu

"Muita gente entrou em burnout porque a questão financeira desequilibrou muito rápido", diz Cerbasi (Gustavo Cerbasi/Divulgação)

"Muita gente entrou em burnout porque a questão financeira desequilibrou muito rápido", diz Cerbasi (Gustavo Cerbasi/Divulgação)

Karla Mamona

Karla Mamona

Publicado em 29 de março de 2021 às 18h05.

Última atualização em 31 de março de 2021 às 11h04.

Existe uma relação entre o dinheiro e a saúde mental. No último ano, com a crise sanitária e econômica do país, esta ligação ganhou ainda mais evidência entre os profissionais. Mas nem todos foram impactados da mesma maneira. É o que afirmou Gustavo Cerbasi, consultor e educador financeiro, durante um painel do Future of Money, evento online realizado pela EXAME, que reunirá os maiores especialistas do Brasil para debater sobre o futuro do dinheiro. 

“Vemos pessoas muito ansiosas, mas que não têm um grande peso no aspecto financeiro. Mas tem muita gente que entrou em burnout porque a questão financeira desequilibrou muito rápido.” 

Quer mudar de carreira e não sabe por onde começar? Conheça as Jornadas de Finanças e Negócios

Segundo o especialista, os mais afetados foram os que não souberam lidar com o senso de urgência que a pandemia exigiu e os que tiveram uma grande mudança na vida financeira, como a perda da renda.  

Ele explica que geralmente, nesta situação, quem foi mais abalado não compartilha da dificuldade que tem e tenta resolver o problema sozinho. Pensando em como solucionar a situação, a pessoa acaba dormindo menos, se torna menos eficiente e menos produtivo. “Vira uma bola de neve.”

O educador afirmou ainda que a questão financeira impactou aqueles que não tinham uma reserva de emergência. “O planejamento financeiro traz uma série de benefícios como independência e previsibilidade. Mas a principal consequência é a paz.” 

Diante deste cenário, quem fez um planejamento financeiro se sente mais seguro. Cerbasi aconselha que as pessoas aproveitem para rever suas necessidades. “Reflita sobre as decisões e seus hábitos. Veja aquele pacote de telefonia de 200 minutos. Você tem usado no último ano ou está fazendo ligação pelo WhatsApp? É o conceito do orçamento base zero. Lapidar o estilo de vida que eu tenho ao custo de vida. Desenhe uma situação ideal. Se for preciso mude de imóvel ou venda o carro.”

Assista abaixo ao painel completo que teve a participação também de Rui Brandão, presidente e cofundador da Zenklub, plataforma de saúde e bem estar emocional e Sophia Esteves, fundadora da Cia de Talentos. 

yt thumbnail

 

Confira a programação completa em: https://bit.ly/39ln7iT

Acompanhe tudo sobre:DinheiroEXAME-no-InstagramFuture of Moneygustavo-cerbasisaude-mental

Mais de Invest

50 empresas que geraram mais valor aos acionistas; apenas uma é do Brasil

Vale prevê que vendas de minério e aglomerados ao Oriente Médio podem chegar a 67 milhões de t

Onde investir? Veja quem ganha e (quem perde) com a desvalorização do real

Febraban propõe melhorias em ferramenta do Pix para devolução de dinheiro; veja o que pode mudar

Mais na Exame