Invest

FecomercioSP envia a BC propostas para aumentar segurança no uso do Pix

Após o aumento de fraudes e crimes com a forma de pagamento, Fecomercio sugeriu medidas que dificultem ações criminosas

PIX: uma das propostas é restringir transferências imediatas para contas que tenham sido criadas há menos de três meses (Rafael Henrique/SOPA/Getty Images)

PIX: uma das propostas é restringir transferências imediatas para contas que tenham sido criadas há menos de três meses (Rafael Henrique/SOPA/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de janeiro de 2022 às 13h06.

Última atualização em 12 de janeiro de 2022 às 10h35.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) enviou ao Banco Central propostas para aumentar a segurança na utilização do Pix, o sistema de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo BC. Depois do aumento de fraudes e crimes com a ferramenta, a autoridade monetária já adotou novas regras, como a limitação a R$ 1 mil para transferências no período noturno, mas a FecomercioSP avalia que as medidas são insuficientes.

"Os criminosos utilizam contas laranja e/ou contas de aluguel/passagem para cometer atos ilícitos e direcionar rapidamente os recursos extraídos, de forma que não seja possível o rastreamento dos valores", disse a FecomercioSP, em nota.

Nesse sentido, uma das propostas é restringir transferências imediatas para contas que tenham sido criadas há menos de três meses, considerando que muitas delas são feitas apenas para realização de fraudes.

A federação também sugere combinar essa regra com a adoção de medidas para verificar a identidade de recebedores. A ideia é que, nas três primeiras operações, o usuário realize uma dupla checagem (confirmando, por exemplo, os dados via celular e e-mail ou inserindo um código de segurança), o que permitiria a rastreabilidade das informações.

A FecomercioSP ainda propõe aumentar os critérios para abertura de contas digitais, como confirmação da veracidade de documentos enviados via reconhecimento fácil, biometria ou código PIN.

O assessor econômico da FecomercioSP, Fábio Pina, reconhece que as medidas não vão acabar com o problema, mas tendem a dificultar ações criminosas e/ou a facilitar a identificação de transações suspeitas, como quando uma conta fica parada por meses e, na sequência, começa a receber várias transferências por Pix.

Pina ainda frisa que as medidas são apenas sugestões para o BC, que tem mais informações sobre o modus operandi das fraudes e crimes, e, portanto, pode ter sugestões melhores para aumentar a segurança do Pix.

"O Pix é uma excelente ferramenta. É bom para consumidor e para empresário. Mas as operações entre pessoas físicas têm gerado insegurança. Então estamos propondo criar mais critérios de segurança. Naturalmente, tem um custo de transação para o cliente, que pode ter que ficar esperando mais para receber um Pix ou ter que ir a um caixa fazer a biometria, mas a solução tem que ser simples, maximizar o benefício e minimizar o risco", explicou em entrevista.

Confira o e-book gratuito da EXAME com 30 formas práticas para alcançar sua liberdade financeira ao investir.

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralBancosEXAME-no-InstagramFecomércioPIXseguranca-digital

Mais de Invest

Pressa e erros de digitação: equívocos ao comprar ações movimentam US$ 3,5 bi por dia nos EUA

Receita paga maior lote de restituição do Imposto de Renda 2024 esta semana; veja quem recebe

Ninguém acerta as seis dezenas do concuso 2729 da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 75 milhões

Investidores da Tesla são aconselhados a votar contra bonificação de US$ 56 bi para Musk

Mais na Exame